Tripulantes da Ryanair em Espanha cumprem amanhã mais um dia de greve

Os tripulantes de cabine da Ryanair em Espanha cumprem no domingo o quarto de dez dias de greve convocada pelas estruturas sindicais em protesto contra o encerramento das bases da companhia aérea em Tenerife Sul, Gran Canária, Lanzarote e Girona.

Esta paralisação soma-se à greve que os tripulantes de cabine cumpriram nos dias 1, 2 e 6 de setembro, tendo a Ryanair já anunciado a intenção de não cancelar nenhum voo, cumprindo o cronograma que está planeado.

Nas greves de 1 e 2 de setembro, a Ryanair cancelou seis e oito voos, respetivamente, enquanto no dia 6 de setembro conseguiu realizar todos os voos programados, com uma pontualidade a rondar os 97%, segundo dados da companhia aérea.

Na ocasião, a Ryanair precisou que tal foi possível graças aos “esforços” da grande maioria da tripulação de cabine espanhola que optaram por não se juntar a uma greve marcada “por um pequeno número de trabalhadores”.

Esta paralisação contra o encerramento das quatro bases da companhia em Espanha foi convocada pelos sindicatos Sitcpla e USO.

Além da greve dos tripulantes de cabine, o sindicato de pilotos espanhol Sepla também convocou uma greve de cinco dias, para os dias 19, 20, 22, 27 e 29 de setembro em protesto contra o encerramento das referidas bases que, segundo as suas previsões, podem implicar os despedimentos de mais de 500 trabalhadores da Ryanair, incluindo 150 pilotos.

Além de Espanha, a Ryanair anunciou o fecho de outras bases na Europa, nas quais se inclui a do Aeroporto de Faro, no Algarve, no âmbito de uma estratégia da companhia para redução de custos.

Ler mais
Recomendadas

PremiumFornecedores ganham margem negocial sobre grandes superfícies

Diploma impede distribuição de tirar de forma unilateral dinheiro de contas-correntes com fornecedores. “Era uma prática aberrante”, diz a Centromarca.

Lesados do BES. António Costa “disse que acabou. Não há mais dinheiro”

Uma organizadora do movimento dos emigrantes lesados do BES em França contou hoje à Lusa que o primeiro-ministro, António Costa, lhe disse que não haveria mais dinheiro para além do que já foi acordado.

Trabalhadores da General Motors em greve a partir de segunda-feira

O sindicato United Auto Workers (UAW), o maior do setor automóvel, marcou hoje uma greve que abrange os cerca de 48 mil trabalhadores do gigante norte-americano General Motors (GM) na primeira paralisação em 12 anos.
Comentários