Trump culpa a Fed por ‘sell-off’ nos mercados

A Fed, o Banco Central da China, o FMI e Itália contribuíram para uma situação de queda nas bolsas globais e subida nos juros das dívidas.

A meio desta semana, chegou o sinal de alarme com as bolsas a registarem fortes perdas. Na quarta-feira, o S&P 500 sofreu a maior queda desde 5 de fevereiro, ao perder 3,29%. Donald Trump veio culpar a Reserva Federal norte-americana (Fed) pelo sell-off.

Os sinais apareceram logo no início da semana. Segunda-feira foi fértil em acontecimentos premonitórios da evolução dos mercados. O principal índice acionista chinês, o Shanghai Composite, desvalorizou 3,7%, a refletir a intenção do Banco Central da China de diminuir a taxa da reserva legal, a partir de 15 de outubro, em um ponto percentual. Os grandes bancos passam de uma taxa de 15,5% para 14,5% e, assim, terão uma maior fatia dos depósitos à ordem para emprestar. É um reconhecimento, por parte das autoridades monetárias chinesas, do abrandamento da sua economia. É uma forma de estimular o crédito que tem vindo a diminuir nos últimos tempos. Em parte, a desalavancagem a que a economia chinesa vem assistindo resulta do encarecimento do crédito em dólares, pelas sucessivas subidas de taxas de juro da Fed.

A comunicação do Fundo Monetário Internacional (FMI), que pela primeira vez em dois anos reduziu as previsões para o crescimento económico global, foi mais um rastilho para o agudizar das quedas.

Itália continua a preocupar os investidores e, na segunda-feira, o mercado acionista de Milão perdeu à volta de 2,5%. A rentabilidade das obrigações do Tesouro italiano a 10 anos atingiu os 3,67%, com uma significativa fuga para a dívida pública germânica, sempre a funcionar como o porto seguro, situação que se manteve durante a semana.

O mercado receia que a agência de rating S&P reveja em baixa a classificação do risco da dívida italiana. As yields italianas são quase o dobro da rentabilidade portuguesa a 10 anos, à volta dos 2%, e bastante mais do dobro da yield espanhola com a mesma maturidade, que se situa nos 1,6%. Atualmente, o spread da yield a 10 anos entre a dívida italiana e a alemã é já de 3,1%. Uma divergência que deverá continuar a aumentar.

A rentabilidade das obrigações do Tesouro dos EUA registaram máximos dos últimos sete anos, nos 3,26%, seguindo a subida das taxas da Fed e da inflação acima dos 2%, sendo mais um fator de instabilidade para os mercados. Uma yield acima de 4% ou 4,5% poderá, muito provavelmente, redundar numa correção dos mercados acionistas dos EUA e mundiais.  No sell-off dos mercados acionistas as yields desceram para 3,15% com as obrigações do Tesouro norte-americano a servir de refúgio.

Ler mais
Recomendadas

Um em cada dez investidores institucionais já usa Inteligência Artificial

“É tentador assumir que a rapidez, eficiência e os menores atritos criam mercados mais precisos e seguros, mas este não é necessariamente o caso. Em muitos casos as ineficiências simplesmente aumentam”, alertou Paras Anand, diretor de gestão de ativos da Ásia na Fidelity International.

Inflação na Argentina vai atingir novo pico este mês, segundo ministro do Tesouro

O peso valorizou 13% em outubro para 36,54 por dólar norte-americano. No entanto, a moeda continua 49% mais fraca em relação ao dólar no acumulado de 2018.

“Fusões em Portugal já deviam ter começado há bastante tempo”

No programa Decisores desta semana, o tema é a compra da gestora de fundos Optimize pela DiF Broker. Os líderes das duas empresas explicam como o poder dificulta as fusões no setor.
Comentários