Trump recorre ao Supremo para manter finanças pessoais em segredo

O presidente pediu esta quinta-feira ao Supremo Tribunal que mantenha os seus registos financeiros fora do alcance do Congresso liderado pelos democratas.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump vai pedri aos Supremo Tribunal do país para que este órgão decida manter as suas finanças pessoais em segredo e longe das mãos do Congresso, onde os democratas têm mairia – e estão em guerra aberta para avançar com o impeachment.

O Tribunal de Apelações dos Estados Unidos decidiu em 13 de novembro que não alteraria a sua decisão de outubro, apoiando a autoridade do Comité de Supervisão da Câmara dos Representantes de pretender conhecer os registos financeiros do presidente que se encontram na posse da Mazars, multinacional que controla a contabilidade do presidente.

O caso representa um confronto direto no Supremo entre a presidência e o Congresso e é mais um capítulo da batalha que aquela câmara está a empreender contra o presidente. “Este é uma estreia. É a primeira vez que o Congresso cita registos pessoais de um presidente em exercício”, escreveram os advogados de Trump, que dizem que o comité não tem autoridade para conduzir uma investigação sobre o assunto.

A decisão do tribunal de primeira instância, se deixada intacta, aproximaria os democratas da Câmara do esclarecimento dos interesses comerciais de Trump. O presidente já pediu ao Supremo Tribunal que reveja a decisão do Tribunal Federal de Apelações de Nova Iorque, que decidiu que os promotores locais podem aplicar uma intimação também emitida à Mazars, exigindo declarações de impostos pessoais e corporativas de Trump entre 2011 e 2018. Os juízes devem discutir o caso numa reunião a 13 de dezembro próximo.

Recomendadas

Cabo Verde perdeu mais de seis milhões de metros cúbicos de água em 2017

Cabo Verde registou durante todo o ano de 2017 perdas físicas de água de mais de seis milhões de metros cúbicos, segundo um relatório apresentado esta terça-feira, com as autoridades do país a prometerem ultrapassar esse desafio com investimentos.

Destroços do Titanic vão ser protegidos por Reino Unido e EUA em “tratado histórico”

Passados 107 anos do desastre, os governos do Reino Unido e dos Estados Unidos da América assinaram um tratado de proteção dos destroços do navio contra os danos causados por quem o explora e quer remover os artefactos nele presente.

Confirmado o primeiro caso de infeção pelo coronavírus nos Estados Unidos

Um doente no Estado de Washington foi diagnosticado com o novo vírus detetado na China e que causa pneumonias virais, no primeiro caso confirmado nos Estados Unidos desta doença que já provocou seis mortos na China e graves pneumonias.
Comentários