Trump recorre ao Supremo para manter finanças pessoais em segredo

O presidente pediu esta quinta-feira ao Supremo Tribunal que mantenha os seus registos financeiros fora do alcance do Congresso liderado pelos democratas.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump vai pedri aos Supremo Tribunal do país para que este órgão decida manter as suas finanças pessoais em segredo e longe das mãos do Congresso, onde os democratas têm mairia – e estão em guerra aberta para avançar com o impeachment.

O Tribunal de Apelações dos Estados Unidos decidiu em 13 de novembro que não alteraria a sua decisão de outubro, apoiando a autoridade do Comité de Supervisão da Câmara dos Representantes de pretender conhecer os registos financeiros do presidente que se encontram na posse da Mazars, multinacional que controla a contabilidade do presidente.

O caso representa um confronto direto no Supremo entre a presidência e o Congresso e é mais um capítulo da batalha que aquela câmara está a empreender contra o presidente. “Este é uma estreia. É a primeira vez que o Congresso cita registos pessoais de um presidente em exercício”, escreveram os advogados de Trump, que dizem que o comité não tem autoridade para conduzir uma investigação sobre o assunto.

A decisão do tribunal de primeira instância, se deixada intacta, aproximaria os democratas da Câmara do esclarecimento dos interesses comerciais de Trump. O presidente já pediu ao Supremo Tribunal que reveja a decisão do Tribunal Federal de Apelações de Nova Iorque, que decidiu que os promotores locais podem aplicar uma intimação também emitida à Mazars, exigindo declarações de impostos pessoais e corporativas de Trump entre 2011 e 2018. Os juízes devem discutir o caso numa reunião a 13 de dezembro próximo.

Recomendadas

Von der Leyen apresenta hoje proposta de fundo de recuperação da UE

A Comissão Europeia apresenta hoje enfim a sua proposta de um fundo de recuperação para reerguer a economia da União Europeia dos ‘escombros’ provocados pela pandemia da covid-19, perspetivando-se de seguida intensas negociações entre os 27 Estados-membros.

Mário Assis Ferreira: Sucessora vai continuar “obra de Stanley Ho em Portugal”

O gestor que trabalhou com Stanley Ho durante 30 anos acredita que a família do empresário pretende manter a sua participação maioritária na dona dos casinos do Estoril, Lisboa e Póvoa de Varzim. O vice-presidente da Estoril-Sol deixa elogios a Pansy Ho, filha do empresário nascido em Hong Kong.

Twitter faz fact-check pela primeira vez a publicações de Donald Trump

O presidente norte-americano criticou os votos por correspondência, que serão usados por alguns estados nas eleições devido à Covid-19, com a rede social a alertar os utilizadores que as afirmações de Donald Trump não correspondiam à verdade.
Comentários