PremiumTrump volta à melhor forma com crise racial a somar-se à de saúde

No limite, os confrontos por causa da morte de George Floyd vão fazer com que o presidente consiga provar aos norte-americanos que, como a resposta à pandemia, tudo não é mais que um ‘complot’ dos democratas

Ao contrário do que seria de supor numa sociedade dita normal, os recentes acontecimentos em torno da morte de George Floyd às mãos (ou ao joelho) da polícia – que colocaram o país em verdadeira ebulição – podem ser a chave do regresso do favoritismo de Donald Trump enquanto candidato à presidência dos Estados Unidos. Uma parte importante dos analistas políticos da situação norte-americana não parece ter dúvidas que Trump se movimenta muito mais à vontade e de forma definitivamente mais assertiva em cenário de confrontação direta e se possível violenta.

Trump deu, de facto, mostras ao longo destes quase quatro anos que leva como presidente dos Estados Unidos que são os cenários de conflito aqueles que mais lhe permitem preencher não só as notícias da comunicação social caseira, mas principalmente o imaginário comum de uma parte não negligenciável dos seus apoiantes. A questão da Coreia do Norte é exemplar neste contexto: Trump desempenha como ninguém o papel de polícia mau, mas aparenta ter pouca paciência para perder tempo com o papel de polícia bom – que o tem levado a desinteressar-se de dossiers que, num momento imediatamente anterior, lhe ocupavam o espírito.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumEmpresas nacionais brilham nas tecnologias da educação

JP Inspiring Knowledge, Bi-Bright e ubbu têm uma palavra a dizer na ‘virtualeduca.connect’, que decorre de 21 a 23 de julho, sob o signo do futuro.

PremiumKKR e BlackRock na corrida à Indaqua

O Citi recebeu propostas de compra de quatro fundos, entre eles o KKR e a BlackRock. Avança agora a ‘due-diligence’ para as ofertas vinculativas.

PremiumBarclays contratado para vender Iberwind

A Finerge é uma das empresas interessadas em comprar a Iberwind. Há cinco a disputar o grupo eólico que em 2015 foi comprado por chineses.
Comentários