Premium‘Truque’ contabilístico reduz prejuízos do SIRESP em 80%

Amortizações são feitas até 2027, embora vida útil da empresa que gere rede de emergência do Estado deva terminar este ano. Auditor coloca reserva.

Uma nova polémica envolve a empresa que gere o SIRESP, a rede de comunicações de emergência do Estado português. A sociedade SIRESP S.A. registou um prejuízo de dois milhões de euros em 2020, mas este valor teria sido cerca de cinco vezes superior se as amortizações de alguns equipamentos não fossem feitas até 2027, apesar de estar previsto que a empresa – que nasceu em 2006 como parceria público privada (PPP) – deixe de ter atividade no final de junho, para ser substituída por uma nova entidade pública criada para gerir toda a rede SIRESP.

A questão das amortizações foi assinalada nas contas de 2020 pelo auditor da SIRESP S.A., a Deloitte, que colocou uma reserva a este respeito. “Não nos é possível concluir quanto ao valor de realização daqueles ativos fixos tangíveis e eventuais perdas por imparidade que devessem ser reconhecidas”, referiu a Deloitte.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumOtimismo vai continuar a dominar os mercados nos próximos tempos

Processos de vacinação contra a apandemia de Covid-19 e retoma das economias sustentam otimismo, mesmo com riscos a ter em conta.

PremiumRotas de Verão: Parque Nacional Peneda-Gerês

Dizer que entramos pela Porta de Montalegre é uma força de expressão, quando diante de nós e a perder de vista, se estende este vasto território com mais de 70 mil hectares, bem no alto Noroeste de Portugal, a vincar a fronteira com terras castelhanas, por entre as Serras do Gerês, Amarela, Soajo e Peneda.

PremiumFundo de Resolução vai avaliar recomendações da CPI ao Novo Banco

O relatório da CPI ao Novo Banco recomenda que a Oliver Wyman deixe de ser o agente verificador do valor de injeção a pedir pelo Novo Banco ao Fundo de Resolução. O Fundo vai analisar.
Comentários