‘Truth’. Donald Trump prepara-se para lançar a sua própria rede social (com áudio)

A rede social, com lançamento em versão beta previsto para o mês de novembro, tem o lançamento da versão final previsto para o primeiro trimestre de 2022. É a primeira das três etapas nos planos da empresa, seguida por um serviço de vídeo streaming por assinatura chamado TMTG + que transmitirá conteúdos de entretenimento, notícias e podcasts.

Donald Trump, vai lançar a sua própria rede social – ‘TRUTH Social’.  O ex-presidente dos EUA afirmou que a TRUTH Social “enfrentará as big tech”, empresas como a Twitter e a Facebook, que o impediram de aceder às suas plataformas na reta final do seu mandato na sequência das suas declarações sobre a invasão ao Capitólio, avança a “Reuters”.

A TRUTH Social será criada através de uma nova empresa formada pela fusão do Trump Media and Technology Group e uma empresa de aquisição especial (SPAC), de acordo com um comunicado de imprensa distribuído por ambas as organizações.

“Vivemos num mundo onde os talibãs têm uma grande presença no Twitter, mas onde ex-presidente norte-americano foi silenciado. Isso é inaceitável”, disse Trump em comunicado.

Trump acrescentou que está “animado para enviar o primeiro TRUTH no TRUTH Social muito em breve. A TMTG foi fundada com a missão de dar voz a todos. Estou animado para em breve começar a partilhar as minhas ideias sobre a TRUTH Social e lutar contra as Big Tech”.

A rede social, com lançamento em versão beta previsto para o mês de novembro, tem o lançamento da versão final previsto para o primeiro trimestre de 2022, é a primeira das três etapas nos planos da empresa, seguida por um serviço de vídeo streaming por assinatura chamado TMTG + que transmitirá com entretenimento, notícias e podcasts, de acordo com o comunicado à imprensa.

Numa apresentação no portal oficial, a empresa prevê eventualmente competir com o serviço de nuvem AWS da Amazon e com o Google Cloud.

“Por muito tempo, as Big Tech suprimiram as vozes conservadoras”, disse o filho do ex-presidente, Donald Trump Jr., à Fox News numa entrevista. “Esta noite o meu pai assinou um acordo definitivo de fusão para formar o que será o Trump Media and Technology Group e o TRUTH Social – uma plataforma para que todos expressem os seus sentimentos.”

Twitter, Facebook e outras plataformas de rede social baniram Trump dos seus serviços após centenas dos seus apoiantes terem protestado, e posteriormente invadido, o Capitólio dos EUA a seis de janeiro de 2021.

O protesto aconteceu na sequência de um discurso de Trump no qual o ex-presidente dos EUA falsamente alegou que a sua derrota nas eleições de novembro foi devido a uma fraude generalizada, uma afirmação rejeitada por vários tribunais e funcionários eleitorais estaduais.

O negócio fará com que o grupo Trump Media & Technology seja listado no índice tecnológico Nasdaq através de uma fusão com a Digital World Acquisition Corp, uma firma de aquisição de liderada pelo ex-banqueiro de investimento Patrick Orlando.

O Trump Media & Technology Group receberá 293 milhões de dólares (251,6 milhões de euros) da Digital World Acquisition Corp, supondo que nenhum acionista da empresa de aquisição opte por resgatar as suas ações, de acordo com o comunicado.

Orlando, que trabalhou no Deutsche Bank e BT Capital Markets, lançou pelo menos quatro SPACs e tem planos para mais dois, de acordo com o site de sua empresa e documentos regulatórios.

As empresas disseram no comunicado que a conclusão da fusão está sujeita a resgates que não excedam um requisito mínimo de caixa acordado. A declaração não revelou qual é a exigência, embora esse detalhe esteja normalmente contido num documento regulatório que deve seguir esta quinta-feira.

O acordo avalia o grupo Trump Media & Technology em 875 milhões de dólares (751,4 milhões de euros), incluindo dívidas, conforme o comunicado à imprensa.

Recomendadas

Alemanha em mudança com foco no novo ministro das Finanças. Ouça o podcast “A Arte da Guerra” com Francisco Seixas da Costa

Do novo Governo da Alemanha ao divórcio entre eleitores e poder político na Argélia passando pelos conflitos entre Reino Unido e França com o Brexit pelo meio. Tensão é a palavra que marca esta edição do podcast do JE, que conta com a análise do embaixador Francisco Seixas da Costa.

JE Notícias. Ouça aqui as notícias mais importantes desta quinta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo esta quinta-feira.

Estas são as dez cidades mais caras do mundo para viver

Motivos do foro turístico é o que não falta para visitar estas cidades. No entanto, para viver a história é outra. Conheça as dez cidades mais caras do mundo para viver, segundo o “Worldwide Cost of Living 2021 – Which global cities have the highest cost of living?”.
Comentários