Turismo do Centro apresenta novas iniciativas para as Rotas das Invasões Francesas

O destaque vai para a apresentação das rotas turísticas relativas à Terceira Invasão Francesa, que teve início em julho de 1810 e terminou em abril de 1811. No território nacional, a invasão iniciou-se em Almeida e continuou para o Bussaco, onde teve lugar uma importante batalha, tendo terminado nas Linhas de Torres Vedras, de onde os franceses retiraram em perda.

O projeto turístico das Rotas das Invasões Francesas, desenvolvido pelo turismo do Centro, apresentou novas iniciativas, juntando regiões transfronteiriças do Centro de Portugal e de Castela e Leão.

“Decorreu hoje [dia 22 de janeiro], em formato ‘online’, o quarto Comité de Direção do projeto Interreg NAPOCTEP – Rotas Napoleónicas por Espanha e Portugal. Este é um importante produto turístico que junta as regiões transfronteiriças do Centro de Portugal e de Castela e Leão e que visa o desenvolvimento dos territórios abrangidos”, destaca um comunicado do Turismo do Centro.

De acordo com esta nota, “a reunião serviu para apresentar trabalhos já desenvolvidos no âmbito do projeto, assim como apontar caminhos para o futuro”.

“O destaque vai para a apresentação das rotas turísticas relativas à Terceira Invasão Francesa, que teve início em julho de 1810 e terminou em abril de 1811. No território nacional, a invasão iniciou-se em Almeida e continuou para o Bussaco, onde teve lugar uma importante batalha, tendo terminado nas Linhas de Torres Vedras, de onde os invasores retiraram, sem sucesso”, adianta o referido comunicado.

O Turismo do Centro assinala ainda que, “no encontro de hoje foi também lançado o desafio para que, no futuro, sejam integradas as rotas das duas primeiras Invasões Francesas, associando, deste modo, outros municípios com importante património histórico”.

Esteve presente a Federação Europeia das Cidades Napoleónicas, representada por Jacques Mattei e Eleonora Berti, os quais apresentaram as iniciativas previstas para a Comemoração do Bicentenário da Morte de Napoleão, que se comemora este ano e à qual os parceiros se vão associar.

“O objetivo do projeto Interreg NAPOCTEP, liderado pela Comunidade Intermunicipal da Região de Coimbra, é transformar o património da época das invasões francesas – assente nas Rotas Napoleónicas – num produto turístico de qualidade e sustentável, capaz de criar riqueza e emprego em zonas espanholas e do Centro de Portugal”, conclui o comunicado em questão.

O Turismo Centro de Portugal é a entidade que estrutura e promove o turismo na Região Centro do país.

Segundo a entidade em apreço, “esta é a maior e mais diversificada área turística nacional, abrangendo 100 municípios, e tem registado um intenso crescimento da procura interna e externa”, aproveitando o facto de conciliar “locais Património da Humanidade com a melhor costa de ‘surf’ da Europa, termas e ‘spas’ idílicos, locais de culto de importância mundial e as mais belas aldeias”.

Ler mais
Recomendadas
catarina_martins_oe_2020

Covid-19: Catarina Martins faz um apelo a Costa para que estenda já as moratórias

“Deixo aqui hoje este apelo a António Costa: não espere que seja tarde demais, não espere pelo início dos despejos e das falências. As moratórias têm de ser estendidas já”, num comício maioritariamente virtual que assinalou o encerramento da conferência autárquica online e os 22 anos do BE, que comemora no domingo a sua fundação.

TAP. Ratificação dos acordos com pilotos e tripulantes era “passo crucial”, diz o Governo

“Porque estes acordos representam um compromisso muito firme de todos com o futuro da companhia, dão ainda mais credibilidade ao plano de reestruturação que o Estado português continuará a negociar com a Comissão Europeia ao longo das próximas semanas”, sublinhou o Ministério das Infraestruras e da Habitação.

Serviços postais caem 12,4% mas tráfego de encomendas dispara 20% em 2020

Tráfego total dos serviços postais caiu 12,4% em 2020, uma quebra que “está associada aos efeitos da pandemia da Covid-19” e que foi “mais expressiva” do que o recuo verificado em 2019 (-6,7%). A pandemia terá tido “um impacto direto, negativo, de 9,8% no tráfego postal total”.
Comentários