PremiumTurismo do Interior precisa de âncoras para fixar pessoas e reter turistas

Sob o mote “Turismo do Interior – novas visões, novos negócios”, o Jornal Económico e o Crédito Agrícola promoveram no dia 27, no Cine-Teatro de Mértola, uma nova edição do Observatório, um espaço de debate e partilha que reuniu diversos ‘players’ do setor.

A evolução do Turismo do Interior, particularmente no Alentejo, tem sido, no entender de Jorge Rosa, presidente da Câmara Municipal de Mértola, um percurso de crescimento sistemático, “fruto de um trabalho de parceria entre público e privado, numa evolução principalmente quantitativa. Temos no Interior das melhores mais-valias de todo o território, mantemos tradições e a identidade de Portugal”.

Para o autarca, importa ressalvar que o Turismo do Interior “não é um turismo de massas, o que obriga a ser mais imaginativo, mais inovador e a reforçar a aposta em parcerias, numa estratégia coletiva que visa crescer, paulatinamente, mas de forma sustentável”.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumBanca deve garantir que intermediários prestam bons serviços

“Uma estrutura mais ágil e enxuta, com menos custos, acaba por não ter esta estrutura a que a regulamentação dos sistemas financeiros obriga”, afirma o presidente do Montepio Crédito.
joão_barros_pagaqui_30_3

Pagaqui vai permitir que clientes paguem o café com bitcoins

“O contrato está assinado e vai ser operacionalizado durante o mês de janeiro”, afirmou João Barros, CEO da empresa portuguesa de pagamentos, no ciclo de conversas “30’ a 3”, promovido pelo Montepio Crédito e pelo Jornal Económico.
pedro_gouveia_alves_montepio_30_3

Presidente do Montepio Crédito diz que maior desafio das fintechs surge dos meios de pagamento

“Não será muito fácil a uma multinacional fintech em Portugal operar soluções de crédito para consumidores, uma vez que tem de preencher um conjunto de requisitos regulamentares que, do ponto de vista de desenvolvimento e análise do risco, são pesados”, defende Pedro Gouveia Alves.
Comentários