Turismo em Lisboa gerou 13,7 mil milhões de euros e criou 182 mil postos de trabalho

Brasil, França, Espanha, EUA, Alemanha, Reino Unido e Itália são os países de onde provêm mais turistas. Cerca de 10,5% já visitaram Lisboa mais de uma vez.

O setor do turismo em Lisboa registou mais de 13,7 mil milhões de euros em receitas e a criação de 182 mil novos postos de trabalho 2017, com um crescimento de 14,3% face a 2015. Estes dados foram hoje revelados pela Associação de Turismo de Lisboa (ATL) em conjunto com a Deloitte.

De acordo com os dados revelados, de 2005 a 2017, Lisboa assistiu a um crescimento de 33,3% de hóspedes. Isto deve-se ao aumento significativo do alojamento local na cidade de Lisboa, embora o número de hóspedes em unidades hoteleiras também tenha apresentado um crescimento. A taxa de ocupação hoteleira verificou um crescimento de 6,3% relativamente a 2015, uma vez que nesse ano ficou em 71,7% e em 2017 aumentou para 77,5%, com o preço por quarto se situava em 77,7 euros.

O aumento de quartos na hotelaria (1.786) e em alojamento local (21.130) ajudou que em 2017 o turismo apresentasse um crescimento bastante significativo face a 2015. O número de congressos na capital trouxe mais de 87 mil participantes, embora a ATL sublinhe que se deve investir nas infraestruturas para que Portugal consiga igual os grandes congressos internacionais com mais de dez mil participantes.

A produção do turismo na região de Lisboa fez com que o PIB correspondesse a 19,7% em 2017, em comparação com os 10,8% registados em 2014. Assim, a riqueza apresentou um aumento anual de 11,1%, enquanto o emprego atingiu 14,3% em 2017 face a 2015 que teve 12,4%.

A ATL distribuiu a produção do turismo em setores, de forma a verificar onde é que os turistas gastam mais. Assim, os dados revelam que 42,1% foram gastos em alojamento e restauração, 17,8% em atividades culturais e desportivas, como jogos de futebol e concertos, 16,9% no comércio e 14,2% é gasto nas deslocações de transportes públicos como autocarros e metro.

O estudo realizado em conjunto com a Deloitte revelou que em 2017, comparativamente com 2015, o turismo registou crescimentos de mais de 448 milhões de euros no comércio, um aumento de 1,3%, a hotelaria e o alojamento local registaram mais 353 milhões de euros, um aumento de 1,5%, a animação e eventos registaram 264 milhões de euros, um aumento de 1,8%, os transportes mais 243 milhões de euros, um aumento de 1,7%, e a restauração obteve mais 236 milhões de euros com um aumento de 1,4%.

Ainda que o turismo tenha aumento consideravelmente, a população residente na capital portuguesa aumentou 0,7% de 2.812 milhões para 2.833 milhões de habitantes. No entanto, a população jovem diminuiu -1,2 pontos percentuais e a população com mais de 65 anos aumentou -0,7 pontos percentuais, comparativamente a 2015.

Com os objetivos traçados, a ATL apoia que deve continuar a existir mais requalificação urbana e de espaços públicos, um enriquecimento da oferta sociocultural, uma maior notoriedade de Lisboa a nível internacional, uma maior valorização do património português, além de uma maior dinamização no aeroporto Humberto Delgado, de maior investimentos públicos e privados, de uma melhoria na qualidade da rede de transportes públicos, uma vez que apresentam grande sustentabilidade económica, a equiparação de Lisboa a grandes cidades turísticas e a potencialização do turismo da região lisboeta.

José Luís Arnaut, da ATL, sublinha o contínuo crescimento da atividade turística, sendo que Lisboa ultrapassou Amesterdão, segundo um estudo da European Cities MArketing. Aplaude ainda a performance da indústria hoteleira e o crescimento do alojamento local e dos agentes de animação turística. Arnaut declara que a ATL está a trabalhar com a Câmara Municipal de Lisboa para uma melhorar a atratividade a nível de congressos, de forma a igual os internacionais.

“Temos de estar animados com estes dados” afirma Arnaut ao mesmo tempo que sublinha a necessidade de a população se manter atenta a novos desafios, como a descentralização dos pontos turísticos, um crescimento mais sustentável e um aumento da capacidade de transporte face ao aumento da procura. O responsável garante que é importante o país investir no setor de luxo, além de apontar para uma aproximação dos países concorrentes em termos de preço e de ofertas.

Quando confrontado com o Brexit, Arnaut afirmou que apesar de se ter verificado um decréscimo no mercado britânico e alemão, os outros mercados existentes compensam esta pequena diminuição. Ainda assim, os turistas gastam mais 20% em Lisboa do que quando começou a procura desenfreada pela capital portuguesa.

Brasil, França, Espanha, EUA, Alemanha, Reino Unido e Itália são os países de onde provêm mais turistas para Lisboa. Cerca de 10,5% dos inquiridos revelam que já visitaram Lisboa mais de uma vez, e em média gastam 161 euros no comércio e pernoitam durante 2,3 noites.

Ler mais

Relacionadas

Turismo cresce no Algarve e diminui nos Açores

Os portugueses procuraram Lisboa e Algarve para passar férias, o que fez com que os Açores e a Madeira registassem quebras.

Turismo do Porto e Norte de Portugal traz Prémio Internacionalização para Portugal

A distinção foi concedida este fim-de-semana no Salón Internacional de Turismo Gastronómico em Ourense.

Imobiliário de luxo: investimento em Portugal abaixo da média europeia

Lisboa, Cascais, Estoril, Loulé (Quinta do Lago), Lagos (São Sebastião e Santa Maria) e o Porto são os locais mais procurados pelos investidores que querem investir em residências luxuosas.

Crescimento do turismo em Lisboa vai abrandar este ano

O relatório sobre o orçamento e plano de atividades da ATL – Associação Turismo de Lisboa para 2019, prevê para este ano 11,561 milhões de dormidas de turistas estrangeiros e proveitos globais da hotelaria de cerca de 1.234 milhões de euros na região de Lisboa.

Madeira com recorde de receitas no turismo

Os proveitos totais chegaram aos 410 milhões de euros. A Madeira teve também subidas na estada média apesar da quebra na ocupação.
Recomendadas

Reino Unido vai lançar novo pacote de estímulos à economia

“Estamos a tentar identificar projetos prontos para começar. Queremos avançar com isso”, afirmou um membro do governo britânico ao “Financial Times”.

Retoma da economia traz novos desafios ao país

Endividamento e tesouraria das empresas portuguesas encontram-se entre as principais fragilidades apontadas pelos analistas. Apesar da quebra provocada pela pandemia de Covid-19, o setor do turismo pode surpreender.

Respostas rápidas: Como vai funcionar o novo Instrumento de Apoio à Solvabilidade europeu

O novo instrumento temporário proposto pela Comissão Europeia é dirigido a empresas “economicamente viáveis”, mas que enfrentam problemas de solvabilidade provocados pela crise da Covid-19. Quer desbloquear 300 mil milhões de euros para empresas situadas na União Europeia e um dos critérios de acesso é que com base nas contas de 2019 não apresentassem já necessidades de auxílios.
Comentários