Turismo gera subida do custo de vida dos portugueses

Portugal ainda tem preços acessíveis para os turistas, sobretudo na restauração e hotelaria.

Cristina Bernardo

O salário médio dos portugueses está 45% abaixo do rendimento dos europeus. Apesar de Portugal ainda com preços acessíveis para os turistas, a tendência é a de encarecimento, sendo a fatura suportada pelos portugueses, que veem a generalidade dos ordenados estagnados.

Na edição desta terça-feira do “Jornal de Notícias” (JN), o professor da Faculdade de Economia do Porto João Lembra salienta que as remunerações não têm acompanhado o custo de vida. “Para os funcionários públicos, os salários reiais são hoje inferiores aos auferidos em2009. A capacidade aquisitiva é, portanto, inferior”, explica.

“Portugal ainda é um destino barato, sendo os preços de itens sensíveis para o turismo relativamente acessíveis em comparação com outros destinos europeus – hotéis e restaurantes, em particular”, refere também ao JN Tiago Borges, da consultora Mercer.

O jornal recorda ainda que os preços das casas em Portugal cresceram, entre 2013 e 2018, a um ritmo médio acumulado 32% acima do rendimento de uma família média composta por dois adultos e dois filhos a cargo. Já a eletricidade e a gasolina são as quartas e sétimas mais cara da União Europeia, respetivamente.

Recomendadas

Morreu Sindika Dokolo, marido da empresária Isabel dos Santos

O empresário congolês encontrava-se no Dubai, onde Isabel dos Santos havia postado uma fotografia na sua conta pessoal de Instagram na tarde desta quinta-feira.

Maior desafio do próximo século será reconciliar a biodiversidade com a economia, defende Comissão Europeia

Durante a terceira edição do Blue Bio Value, John Bell, um dos membros da Direção-Geral de Pesquisa e Inovação da Comissão Europeia considerou que o próximo passo da transição sustentável será reconciliar a biodiversidade com a economia. “Essa vai ser a tarefa mais desafiante do próximo século”, vincou.

António Costa defende que se “destruam os fantasmas da regionalização”

“É preciso destruir os fantasmas da regionalização, para que o país possa um dia pronunciar-se de novo sobre este tema, sem temores de aumento de despesa, multiplicação de lugares, etc. Porque é que os cidadãos não hão-de eleger os seus representantes regionais se já conseguimos que os autarcas o fizessem?”, questionou o primeiro-ministro.
Comentários