Turismo sazonal em Portugal cai em comparação com UE

“A variação sazonal em 2018 situou-se acima da média da União Europeia em 13 países, com os típicos destinos mediterrânicos da Bulgária, Grécia, Croácia, bem como Montenegro”, explica o gabinete estatístico europeu.

David W Cerny/Reuters

A sazonalidade do turismo em Portugal está a diminuir mais rapidamente do que na União Europeia, revelou o Eurostat na passada terça-feira, 7 de janeiro. Mas, embora o turismo já tenha visto melhores dias, as Áreas Metropolitanas de Lisboa e do Porto são as que mais contribuem para atenuar a diferença entre os meses de maior e menor procura na hotelaria.

Em janeiro de 2018 os estabelecimentos hoteleiros portugueses registaram dormidas na ordem de 2,8 milhões, enquanto em agosto do mesmo ano o valor subiu para 9,1 milhões de dormidas. Assim, e tendo em conta estes valores, o índice de sazonalidade nacional fixou-se em 36,4%.

Dados divulgados pelo INE indicam que Portugal conseguiu aumentar o número de hóspedes no país durante todos os meses do ano, crescendo entre 4,1% em julho e 13,16% em abril, uma vez que a época da Páscoa é muito procurada. São estes valores que contrastam com a média da União Europeia, onde se observou um aumento de hóspedes entre os 0,22% em março e 6,14% em junho.

“A variação sazonal em 2018 situou-se acima da média da União Europeia em 13 países, com os típicos destinos mediterrânicos da Bulgária, Grécia, Croácia, bem como Montenegro”, explica o gabinete estatístico europeu. Em sentido contrário, “República Checa, Alemanha, Estónia, Malta, Polónia, Eslováquia, Finlândia e Kosovo apresentaram a menor variação sazonal” em 2018.

Outros países que se destacaram nos dados para o Eurostat, com grandes picos sazonais, foram a Áustria, Suíça e o Liechenstein, que registaram as maiores taxas de ocupação em fevereiro e agosto, denotando serem países de duas estações do ano.

Recomendadas

Portugal promove “soluções para impacto assimétrico da crise”, garante ministro das Finanças

“Chegámos a um acordo sem precedentes que permite a emissão de dívida europeia em larga escala para financiar a recuperação economia europeia através dos programas de recuperação europeus”, referiu João Leão depois da reunião do G20.

Lei que acelera levantamento das penhoras entra em vigor amanhã

Na origem desta lei, publicada esta sexta-feira, está uma proposta do Governo – alvo de várias alterações durante a discussão na especialidade, no parlamento – de alteração a diversos códigos fiscais.

Nazaré da Costa Cabral: “Existe uma grande incerteza quanto ao desempenho da economia em 2021”

A presidente do Conselho das Finanças Públicas, Nazaré da Costa Cabral, diz que a situação da economia portuguesa é “complexa”, estando dependente da evolução da pandemia e da capacidade de recuperar da “má imagem” internacional para voltar a conquistar turistas.
Comentários