Turistas podem circular entre concelhos apenas para chegar a alojamentos, diz Governo

“Os turistas só podem deslocar-se entre concelhos para chegar aos alojamentos, estando depois impedidos de circular [entre concelhos] para outros fins”, esclareceu à Lusa a secretaria de Estado do Turismo.

A secretaria de Estado do Turismo esclareceu hoje que os turistas só podem deslocar-se entre concelhos para chegar aos locais de permanência comprovada, estando depois impedidos de circular para outros concelhos com outras finalidades.

“Os turistas só podem deslocar-se entre concelhos para chegar aos alojamentos, estando depois impedidos de circular [entre concelhos] para outros fins”, esclareceu à Lusa a secretaria de Estado do Turismo.

A Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) informou hoje, em comunicado, que as restrições de circulação entre concelhos, no período compreendido entre as 00:00 de 30 de outubro e as 06:00 de 03 de novembro, não se aplicam “às deslocações de cidadãos não residentes em território nacional continental para locais de permanência comprovada”, que abrange empreendimentos turísticos e estabelecimentos de alojamento local.

Estão abrangidos por esta exceção os turistas estrangeiros, bem como os cidadãos nacionais residentes nas Regiões Autónomas e fora de Portugal.

Num comunicado anterior, a AHRESP tinha apontado que, no seu entendimento, a proibição em causa não se aplicava às reservas de alojamento previamente efetuadas.

Na leitura que faz do diploma, publicado em Diário da República na terça-feira, a AHRESP entende que as reservas previamente concretizadas, quer no domínio do Alojamento Turismo, quer no domínio dos eventos familiares e corporativos, “se encontram acomodadas” na parte da resolução que indica que esta restrição não se aplica “às deslocações de cidadãos não residentes para locais de permanência comprovada”.

Porém, na altura, a associação ressalvou que ia pedir uma clarificação à tutela.

Esta medida foi aprovada na reunião do Conselho de Ministros realizada dia 22 de outubro, notando a AHP que causou “imensa perturbação e cancelamentos” junto de alguns estabelecimentos hoteleiros, nas “reservas previstas de pequenos grupos, nacionais e estrangeiros”.

Pouco mais de uma semana após o Conselho de Ministros ter anunciado o regresso do estado de calamidade, devido ao aumento de casos de contágio pelo novo coronavírus, foi aprovada, em 22 de outubro, a proibição de circulação entre concelhos do continente, durante o fim de semana correspondente ao Dia de Finados, estando previstas medidas semelhantes às da Páscoa.

Ler mais
Relacionadas

Covid-19: Turistas podem circular entre concelhos apesar das restrições

Segundo o esclarecimento enviado pelo gabinete da secretária de Estado do Turismo, Rita Marques, à Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP), as restrições de circulação entre concelhos, no período compreendido entre as 00:00 de 30 de outubro e as 06:00 de 03 de novembro, não se aplicam a “turistas estrangeiros, bem como os cidadãos nacionais residentes nas regiões autónomas e fora de Portugal” para locais como empreendimentos turísticos e alojamento local.
Recomendadas
Valéry Giscard d'Estaing

Antigo Presidente francês Valery Giscard d’Estaing morre aos 94 anos

Em 1974, com 48 anos, Valéry Giscard d’Estaing tornou-se no mais jovem Presidente da República francês, depois de vencer de forma surpreendente as eleições presidenciais contra Jacques Chaban-Delmas e François Mitterrand, que o sucedeu no palácio do Eliseu. Sofria de insuficiências cardíacas e morreu esta noite, em casa, junto da família.

Após seis dias em greve de fome o Chef Ljubomir Stanisic foi levado para o hospital

Ao que tudo indica, Ljubomir Stanisic sentiu-se mal chegando mesmo a ser assistido diretamente no local por elementos do INEM, sendo transportado de seguida para o hospital. Ainda assim, o chef admite que pretende retomar o protesto assim que sair do hospital.

Covid-19. Vacinas podem ser alvo de organizações criminosas, avisa Interpol

A polícia internacional receia que as redes criminosas podem vir a roubar vacinas, ou tentar vender vacinas falsas.
Comentários