Turquia assegura que “não vai desistir” de encontrar verdade sobre Khashoggi

O ministro dos Assuntos Exteriores referiu que a Turquia ainda “não recebeu qualquer informação ou dados novos” sobre a investigação da morte do jornalista do lado saudita.

A Turquia afirmou que o país não vai desistir de procurar a verdade sobre a morte de Jamal Khashoggi, jornalista saudita assassinado na embaixada da Arábia Saudita, em outubro, disse o chefe da diplomacia turca.

“Ainda não recebemos qualquer informação ou dado novo sobre a investigação [da morte] do lado saudita” e, por isso, “a Turquia não vai desistir deste assunto”, declarou o ministro dos Assuntos Exteriores daquele país, Mevlut Cavusoglu em conferência de imprensa no Qatar.

E vincou: “Iremos até ao fim [para encontrar a verdade]”.

Jamal Khashoggi, jornalista crítico do Governo da Arábia Saudita, foi morto em 02 de outubro passado por agentes sauditas no consulado do seu país em Istambul.

Inicialmente, o Governo da Turquia tinha dito que não queria um inquérito internacional, preferindo a cooperação direta com as autoridades sauditas.

Porém, na terça-feira, Mevlut Cavusoglu afirmou que a Turquia estava em negociações com as Nações Unidas para uma possível investigação internacional sobre o assassinato, o que provocou indignação em todo o mundo.

Ancara tem criticado repetidamente a falta de cooperação saudita, que diz que o assassínio foi cometido sem o seu consentimento.

As autoridades sauditas rejeitaram um pedido de extradição de um grupo de suspeitos, feito pela Turquia, que incluía dois funcionários próximos do príncipe herdeiro, Mohammed bin Salman, acusado por Ancara de ter participado no plano do assassínio.

Os dois suspeitos, Ahmed al-Assiri e Saud al-Qahtani, foram demitidos das suas funções em 20 de outubro, enquanto uma tempestade diplomática atingia a Arábia Saudita, após a morte do jornalista, que vivia nos EUA e trabalhava para o jornal Washington Post.

Ler mais
Recomendadas

Os cinco problemas da economia angolana aos olhos do FMI

O Fundo Monetário Internacional aprovou a segunda tranche de financiamento para Angola no valor de 248,15 milhões de dólares, mas identificou cinco desafios que as autoridades angolanas devem fazer de tudo para ultrapassar, entre os quais a diversificação económica.

Sérgio Moro diz que aceitou ir para o governo para consolidar combate à corrupção

O ministro da Justiça brasileiro falou esta quarta-feira sobre supostas mensagens divulgadas pelo “The Intercept”.

Cerimónia fúnebre de Dom Paulino Évora reúne centenas de pessoas na Praia

A ilha de Santiago disse adeus ao primeiro bispo de Cabo Verde. Dom Paulino Évora foi ordenado sacerdote em Portugal em 1962.
Comentários