Turquia assegura que “não vai desistir” de encontrar verdade sobre Khashoggi

O ministro dos Assuntos Exteriores referiu que a Turquia ainda “não recebeu qualquer informação ou dados novos” sobre a investigação da morte do jornalista do lado saudita.

A Turquia afirmou que o país não vai desistir de procurar a verdade sobre a morte de Jamal Khashoggi, jornalista saudita assassinado na embaixada da Arábia Saudita, em outubro, disse o chefe da diplomacia turca.

“Ainda não recebemos qualquer informação ou dado novo sobre a investigação [da morte] do lado saudita” e, por isso, “a Turquia não vai desistir deste assunto”, declarou o ministro dos Assuntos Exteriores daquele país, Mevlut Cavusoglu em conferência de imprensa no Qatar.

E vincou: “Iremos até ao fim [para encontrar a verdade]”.

Jamal Khashoggi, jornalista crítico do Governo da Arábia Saudita, foi morto em 02 de outubro passado por agentes sauditas no consulado do seu país em Istambul.

Inicialmente, o Governo da Turquia tinha dito que não queria um inquérito internacional, preferindo a cooperação direta com as autoridades sauditas.

Porém, na terça-feira, Mevlut Cavusoglu afirmou que a Turquia estava em negociações com as Nações Unidas para uma possível investigação internacional sobre o assassinato, o que provocou indignação em todo o mundo.

Ancara tem criticado repetidamente a falta de cooperação saudita, que diz que o assassínio foi cometido sem o seu consentimento.

As autoridades sauditas rejeitaram um pedido de extradição de um grupo de suspeitos, feito pela Turquia, que incluía dois funcionários próximos do príncipe herdeiro, Mohammed bin Salman, acusado por Ancara de ter participado no plano do assassínio.

Os dois suspeitos, Ahmed al-Assiri e Saud al-Qahtani, foram demitidos das suas funções em 20 de outubro, enquanto uma tempestade diplomática atingia a Arábia Saudita, após a morte do jornalista, que vivia nos EUA e trabalhava para o jornal Washington Post.

Ler mais
Recomendadas

Investimento estrangeiro: Macron ‘vende’ França como o país mais atrativo da Europa

Presidente francês convidou para o Palácio do Eliseu dezenas de empresários de topo em trânsito para Davos. O encontro, que faz parte de uma estratégia chamada ‘Escolha a França’, parece ter sido um sucesso.

Britânica Dyson deixa Londres e parte a caminho de Singapura

James Dyson, fundador da empresa de eletrodomésticos e um dos empresários que fez campanha em favor do Brexit, diz que a mudança tem apenas a ver com as inúmeras oportunidades que surgem na Ásia.

Quatro mulheres deixaram água e comida a migrantes. Foram condenadas nos EUA

Ativistas foram condenadas por um juiz norte-americano no final da semana passada. É a primeira sentença criminal por causas humanitárias no espaço de uma década.
Comentários