TVI avança para tribunal contra chef Ljubomir Stanisic e exige 1,2 milhões (com áudio)

O processo surge menos de um ano depois do chef trocar a TVI pela SIC. A estação acusou o chef de rescindir o contrato “unilateralmente” em 2020. “Se isto é uma guerra então avisem-me para levar uma arma”, afirmou então Ljubomir Stanisic.

A TVI avançou para tribunal contra o chef Ljubomir Stanisic. A televisão exige o pagamento de 1,2 milhões de euros por o chef ter rescindido o seu contrato unilateralmente com a estação de Queluz de Baixo.

O processo deu entrada esta semana num tribunal de Lisboa e, além do chef bósnio, o processo também tem como réu a sociedade Questão de palavras, detida por Stanisic e a sua mulher, Mónica Franco.

O chef está em Portugal desde 1997 e é dono do bistro 100 Maneiras e do mais recente restaurante 100 Maneiras, ambos na zona do Bairro Alto em Lisboa.

Stanisic saiu da TVI em agosto de 2020, três meses antes do final do prazo, para se mudar para a SIC, onde apresentou o programa “Hell’s Kitchen”.

“Sou apanhado no meio desta guerra, mas na guerra já eu estive [na Bósnia] e se isto é uma guerra então avisem-me para levar uma arma”, disse então o mediático chef sobre as guerras entre a SIC e a TVI

Na altura da sua saída, a TVI disse que o chef tinha rescindido unilateralmente o seu contrato. “Ljubomir tinha um contrato de trabalho em vigor até ao final do ano, ao qual acrescia um valor dedicado pela produção dos seus programas. Tendo o chef rescindido de forma unilateral, reserva-se agora a TVI o direito de ativar mecanismos legais que a salvaguardem, bem como aos anunciantes com quem havia compromissos assumidos no âmbitos dos projetos que envolviam Ljubomir Stanisic”.

A TVI também disse então que “no início de 2020, Stanisic estabelecera já um novo contrato, em condições muito favoráveis e invulgares no mercado, para a produção de uma nova temporada de Pesadelo na Cozinha. Por razões de saúde, um problema sério num joelho, e devido à pandemia, não foi possível concretizar a produção, o que deveria suceder agora, com data marcada para 15 de setembro, dentro do espírito de boa fé e do contratualmente definido entre as partes”.

Outro episódio que envolve as duas estações é o de Cristina Ferreira, a senhora televisão. Recorde-se que a SIC exige em tribunal 20 milhões de euros a Cristina Ferreira por incumprimento do contrato depois de a apresentadora ter saído para a TVI também durante o ano de 2020. A apresentadora esteve fora durante dois anos e agora é diretora de entretenimento e ficção e também administradora não executiva da Media Capital, tendo uma participação acionista de 1%.

Sob a questão do joelho,  Stanisic criticou o responsável por programas da TVI por essa referência no comunicado: “Nuno Santos esteve mal. Não tem nada a ver, Sou o melhor soldado que qualquer televisão teve na vida e para entrar na guerra é preciso bons soldados”, disse na altura ao Observador.

 

Recomendadas

Novo Banco: PSD contraria Mourinho Félix quanto à retransmissão de obrigações de 2015

Acusando o antigo governante socialista de dizer “coisas que contradizem os factos”, Hugo Carneiro contrariou a versão de Mourinho Félix quanto à subida dos juros após a retransmissão de obrigações em 2015, dizendo que esta aconteceu sim após a apresentação do Orçamento do Estado de 2016.

Resolução do BES seria sempre preferível à liquidação, defende Vítor Constâncio

Vítor Constâncio reiterou que “naquela circunstância, naquele momento, com aqueles dados finais do final de julho, não havia outra alternativa melhor do que encaminhar-se para um processo de resolução”.

António Horta-Osório condecorado pela rainha Isabel II com título de ‘Sir’

O antigo presidente-executivo do banco Lloyds foi reconhecido pela monarca pelo “serviço importante para os contribuintes do Reino Unido nos últimos 10 anos, liderando o Lloyds Banking Group da beira do colapso de volta à lucratividade”. 
Comentários