Tweets de Trump sobre imposição de tarifas ao Brasil e Argentina penalizam Wall Street

Donald Trump revelou que vai impor tarifas ao aço e alumínio importados do Brasil e da Argentina como retaliação à desvalorização das respectivas moedas que, segundo o presidente dos EUA, prejudica os agricultores norte-americanos.

Reuters

Os três principais índices da bolsa de Nova Iorque abriram a sessão com desempenho misto depois de uma semana a ‘meio gás’ devido à época de compras no final de novembro nos Estados Unidos. Na quinta-feira, dia de Ação de Graças, os mercados estiveram fechados, e na sexta-feira fecharam mais cedo do que o habitual.

Esta segunda-feira, o mercado reage a uma série de tweets de Donald Trump, o que terá pesado no início da sessão, que se revelou algo tímido. Minutos após a abertura dos mercados, em Wall Street, só o industrial Dow Jones estava no ‘verde’, com um ligeiro ganho de 0,08%, para 28.073,27 pontos. O S&P 500 mantinha-se praticamente inalterado, com uma ligeira queda de 0,01%, para 3.140,78 pontos; e o tecnológico Nasdaq cedia 0,15%, para 8.652,90 pontos.

Donald Trump revelou que vai impor tarifas ao aço e alumínio importados do Brasil e da Argentina como retaliação à devalorização das respectivas moedas que, segundo o presidente dos EUA, prejudica os agricultores norte-americanos.

“O Brasil e a Argentina têm levado a cabo uma enorme depreciação da moeda, o que não é bom para os nossos agricultores. Por isso, com efeitos imediatos, eu vou reestabelecer as tarifas ao aço e ao alumínio desses países que é enviado para os EUA”, lê-se no tweet do presidente norte-americano.

Donald Trump acusou centrou-se depois na Reserva Federa norte-americana, defendendo que a instituição presidida por Jerome Powell deveria agir de forma a evitar que “os países deixem de beneficiar do nosso dólar forte ao desvalorizarem as respectivas moedas”.

Noutro tweet, Donald Trump disse que os mercados norte-americanos subiram 21% desde 1 de março de 2018, dia em que os Estados Unidos anunciaram a imposição de tarifas.

A nível económico, o destaque do dia vai para o setor da manufatura chinês. O índice PMI divulgado esta segunda-feira demonstra que a manufatura subiu ligeiramente em novembro, para 51,8 pontos.

Noutros mercados, o preço do petróleo está a subir. Em Londres, o barril de Brent está a negociar nos 61,55 dólares, depois de subir 1,75%. Nos EUA, o West Texas Intermediate avança 2,07%, para 56,31 dólares.

Ler mais

Relacionadas

Wall Street faz limonada sem limões

O preço do light crude tem nos próximos dias uma prova importante, pois caso não consiga reconquistar a linha inferir do canal (laranja), entra numa zona bearish que abrirá espaço para mais perdas no valor do activo.

Tensões comerciais penalizam Wall Street

O sentimento do mercado foi penalizado pelo desconforto criado pelos Estados Unidos que aprovaram legislação em benefício dos residentes de Hong Kong, aumentando as tensões com a China.

Black Friday não impulsiona abertura de Wall Street

O frenesim do consumo já começou nos Estados Unidos, no dia de Ação de Graças. Os norte-americanos gastaram valores recorde, quatro mil milhões de dólares no total. E, segundo os dados da Adobe, as vendas online subiram 19% face ao ano passado.
Recomendadas

Wall Street fecha em alta com acordo na guerra comercial

Os EUA irão retirar progressivamente as tarifas sobre as exportações chinesas e a China irá adquirir mais exportações americanas. A China confirmou o acordo com os EUA.

Preço do barril de Brent sobe 1,64% para 65,25 dólares

O preço do barril de petróleo Brent para entrega em fevereiro terminou hoje no mercado de futuros de Londres em alta de 1,64%, para os 65,25 dólares. O crude do mar do Norte, de referência na Europa, concluiu a sessão no International Exchange Futures a cotar 1,05 dólares acima dos 64,20 com que encerrou as […]

Bolsa de Lisboa sobe com BCP a valorizar quase 2%

A sessão foi marcada essencialmente por dois fatores. Por um lado a vitoria dos Conservadores nas eleições inglesas e o alegado acordo na fase 1 entre os EUA e a China. Por cá BCP, EDP e Galp lideram ganhos e NOS e Altri lideram perdas.
Comentários