Uber só aceita carros elétricos a partir de 16 de julho

Uber quer acelerar eletrificação da frota de automóveis disponibilizados na plataforma. Para já, medida será aplicada aos novos veículos que se registem na plataforma nas áreas de Lisboa, Porto, Braga e Faro, nos serviços UberX, o principal da empresa, e Uber Comfort. Já nos serviços Black e XL, a empresa vai continuar a permitir a inscrição de veículos a gasóleo ou gasolina na sua plataforma, mas somente se substituírem um veículo já registado.

A partir do dia 16 de julho só quem tiver um automóvel elétrico é que poderá inscrever-se na plataforma da Uber para começar a operar como transporte individual e remunerado de passageiros em veículos descaracterizados a partir de plataforma eletrónica (TVDE), apurou o Jornal Económico junto da Uber. A medida já foi comunicada aos motoristas esta quinta-feira, 2 de julho.

A nova regra será aplicável sobre os novos veículos nas áreas metropolitanas de Lisboa e do Porto, bem como nos distritos de Braga e Faro, e inicialmente será aplicada para os serviços UberX (o principal e mais comum serviço da Uber) e Uber Comfort (serviço premium fornecido pelos motoristas melhor avaliados e com melhores automóveis).

A empresa de TVDE continuará, contudo, a permitir a inscrição de veículos a diesel ou gasolina na sua plataforma para os serviços Uber Black (serviço mais exclusivo com veículos topo de gama) e UberXL (serviço de viagens para grupos até seis pessoas em carrinhas ou SUV). Mas nestes dois serviços a inscrição de veículos movidos a gasolina ou diesel só serão aceites no caso de se tratar de uma substituição de um veículo já registado na plataforma.

A medida é ambiciosa, mas a Uber entende ser uma aposta necessária para acelerar a eletrificação da frota de automóveis disponibilizados na sua plataforma. A operadora de TVDE justifica a aposta com um estudo do consórcio internacional Transport & Environment – do qual faz parte a associação ambiental portuguesa ZERO -, que estima que o custo total de propriedade de um carro elétrico em Lisboa, Madrid e Paris pode já ser mais baixo que o de um automóvel a diesel ou gasolina, recomendando às empresas de TVDE frotas 100% elétricos até 2025.

Ao Jornal Económico, o diretor-geral da Uber em Portugal, Manuel Pina, admite que a “eletrificação do setor dos transportes tem ainda obstáculos estruturais pela frente como o desenvolvimento da infraestrutura de carregamento, ou a oferta acessível de veículos elétricos, pelo que esta transição terá sempre de ser gradual”. Mas considera “realista” o cenário de uma frota 100% elétrica.

“Sabemos o que temos pela frente, mas esperamos que iniciativas como esta possam ajudar a mobilizar parceiros privados e autoridades públicas e que este esforço, que tem de ser conjunto, possa fazer a diferença”, sublinha o gestor.

A Uber quer, desta forma, antecipar o que considera ser uma futura movimentação do mercado, contribuindo “para o desenvolvimento e adopção da mobilidade elétrica em Portugal”.

Parceria com startup portuguesa PowerDot
Para facilitar a eletrificação da frota já a partir do mês de julho, os motoristas e parceiros da Uber vão ter “acesso exclusivo” a uma rede de 14 pontos de carregamento em todo o país da PowerDot, devido à parceria que existe entre a Uber e a startup portuguesa desde setembro de 2019.

Desde há mais de dez meses que os motoristas da Uber com carros elétricos já tinham acesso aos postos de carregamento da PowerDot, “a preços competitivos” segundo a Uber. Agora, essa parceria será aprofundada e, em julho, a PowerDot vai abrir mais dois novos postos de carregamento em parceria com a operadora de TVDE. Um em Lisboa, na zona de Entrecampos, e outro posto na cidade do Porto, na zona de Bessa. Ao todo os motoristas da Uber terão à sua disposição seis postos de energia “em todo o país”, com 14 pontos de carregamento, que “vão permitir mais de mil carregamentos diários”.

A Uber chegou a Portugal em julho de 2014 e, desde 2016, que tem ativo o serviço Uber Green, uma opção na plataforma que permite requisitar uma viagem num automóvel 100% elétrico. O serviço foi lançado apenas em Lisboa e no Porto, tendo inicialmente apenas 20 automóveis elétricos disponíveis. Agora, o objetivo é ter uma oferta 100% elétrica nas principais cidades onde opera.

Em Portugal, a Uber estima que os veículos elétricos disponíveis na aplicação já representam uma poupança de 40 toneladas em emissões de dióxido de carbono semanalmente, o que se traduz em 2.080 toneladas anualmente.

Além de Lisboa, o Uber Green está hoje disponível em Londres (Reino Unido), Paris, Lille, Bordéus, Nice, Marselha, Nantes, Toulouse, Lyon, Estrasburgo, Reims, Montpellier, Rouen (França), Berlim e Munique (Alemanha), Kiev (Ucrânia), Bucareste (Roménia), Basileia, Geneva, Lausanne e Zurique (Suíça).

Ler mais
Recomendadas

Desafios aos quais as organizações devem responder

É importante que os líderes atuem como agentes de mudança e articulem claramente as vantagens para a elevada satisfação no trabalho, incluindo a formação das chefias nas suas responsabilidades essenciais.

“Mercados em Ação”. “Vitória de Joe Biden nos EUA vai ajudar muito a EDP”

Na última edição do programa “Mercados em Ação”, da plataforma multimédia JE TV, Miguel Gomes da Silva, head of treasury and trading do Montepio, analisou os desafios do novo CEO da EDP, Miguel Stilwell, escolhido esta semana para gerir os destinos da elétrica até 2023.

“Mercados em Ação”. “Galp está a transformar-se. Fecho da refinaria de Matosinhos foi um exemplo”

Futuro da Galp e os desafios do seu novo CEO, Andy Brown, foram temas abordados na última edição do programa “Mercados em Ação”, da plataforma multimédia JE TV, Miguel Gomes da Silva, head of treasury and trading do Montepio.
Comentários