Uber e startup Power Dot instalam posto de carregamento para veículos elétricos dos motoristas em Lisboa

A parceria vai permitir aos motoristas dos “Uber Green” fazer 850 carregamentos elétricos por dia.

A Uber estreou esta segunda-feira mais uma zona de carregamento de carros elétricos para os motoristas da aplicação, através de uma parceria com a startup portuguesa Power Dot. Depois de ter instalado dois hubs no distrito do Porto (Maia e Bonfim), a empresa de transportes de passageiros fixou agora um posto de carregamento rápido na Doca de Santo Amaro, em Lisboa.

O acordo com a Power Dot vai permitir aos “Uber Green” – que estão disponíveis em Portugal desde 2016 – fazer 850 carregamentos elétricos por dia. Nos próximos meses, o número de carregamentos na zona da capital deverá aumentar, uma vez que serão inaugurados mais dois hubs semelhantes, no Aeroporto Humberto Delgado e em Tires.

A rede de carregamento da Uber é exclusiva para parceiros e motoristas da marca. A empresa com sede na Califórnia designa os espaços de “hubs”, tendo em conta que estão desenhados para serem confortáveis para os motoristas enquanto aguardam (incluem serviços de limpeza, Wi-Fi, café, etc.), têm carregadores com tecnologia desenvolvida para o negócio e permitem carregar simultaneamente entre quatro a oito veículos.

Os motoristas e parceiros da Uber têm ainda acesso a um painel de controlo para gerir a sua operação, verificar a disponibilidade dos carregadores e consultar o histórico de carregamentos. “Queremos continuar a desenvolver soluções de carregamento para esta comunidade de motoristas e a abertura dos próximos dois power hubs será um passo importante para uma mobilidade mais sustentável em Lisboa”, explica Afonso Pinheiro, responsável pela startup nacional Power Dot.

A Uber estima que em Portugal os veículos elétricos disponíveis na sua aplicação poupem 40 toneladas de emissões de dióxido de carbono por semana e 2.080 toneladas por ano.

Recomendadas

Mais de 50 jornalistas subscrevem abaixo-assinado em defesa de Maria Flor Pedroso

“Confrontados com o grave ataque público à integridade profissional da jornalista Maria Flor Pedroso, os jornalistas abaixo-assinados não podem deixar de tomar posição em sua defesa”, referem os 55 jornalistas que subscrevem o documento.

PremiumO Estado angolano, a empresa americana e o gestor português

A Aenergy, detida por um português, teve vários contratos cancelados pelo Executivo angolano por alegadas irregularidades. Oempresário diz que sempre cumpriu a lei e já recorreu das decisões.

Equipa da RTP retida e questionada na fronteira no regresso de Hong Kong

O caso levou a Associação de Imprensa em Português e Inglês de Macau (AIPIM) a apelar às autoridades de Macau para que “o livre exercício da profissão esteja assegurado na plenitude”.
Comentários