Ucrânia e FMI chegam a acordo para empréstimo de cinco mil milhões de euros

A diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, anunciou que a organização financeira alcançou um acordo com as autoridades da Ucrânia para um empréstimo de cinco mil milhões de euros em três anos.

Num comunicado emitido na noite de sábado, após uma “chamada construtiva” com o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, a diretora-geral da instituição financeira sublinhou “a prontidão do FMI em apoiar a agenda política das autoridades para manter a estabilidade macroeconómica e levantar a economia” da Ucrânia.

Na nota, a diretora-geral assinala que “os serviços do FMI alcançaram um acordo com as autoridades para as políticas que consolidam um acordo a três anos de quatro mil milhões de DES [direitos especiais de saque, a “moeda” da instituição, num valor equivalente a cinco mil milhões de euros]”.

O acordo tem agora de ser aprovado pelos gestores do fundo.

O comunicado não detalha de que forma serão utilizados os fundos a emprestar pelo FMI.

“Eu e o Presidente concordamos que o sucesso económico da Ucrânia depende fundamentalmente do fortalecimento do Estado de direito, da melhoria da integridade judicial, da redução da importância dos interesses sociais na economia e que é o essencial para salvaguardar os ganhos tidos com a limpeza do sistema bancário”, vincou a economista búlgara.

Zelensky, eleito em abril, após ter feito o combate à corrupção uma das bandeiras da sua campanha, afirmou que o programa com o FMI vai permitir acelerar o crescimento ucraniano.

Ler mais

Recomendadas

Covid-19: ‘Chef’ Vítor Sobral vai “acender uma velinha a Nossa Senhora de Fátima” para pagar salários

O Grupo Quina emprega cerca de 120 funcionários. Dois restaurantes foram encerrados, outros dois estão a funcionar em regime de ‘take away’, assim como as padarias. Vítor Sobral garante salários neste mês de março, mas não sabe como será no mês de abril.

“Queremos estar na linha da frente para relançar a economia nacional”, assegura vice-presidente da IP

Segundo os dados mais recentes fornecidos pela gestora da rede ferroviária nacional ao Jornal Económico, 63% das obras previstas no pano Ferrovia 2020 estão em andamento ou já foram finalizadas, um aumento face aos 52% neste estado que se verificavam em fevereiro deste ano. Estão mais de 800 milhões de euros em obra.

CGTP considera que apoios às empresas e famílias negligenciam “questões essenciais”

“A procura interna e o consumo das famílias, não só no atual período, como na fase que se vai seguir, serão determinantes para relançar a economia, promover emprego e assegurar que os bens e serviços das empresas são vendidos”, sustenta a intersindical.
Comentários