UEFA ameaça excluir todos os clubes e futebolistas que integrem Superliga Europeia

Federações e ligas profissionais de Inglaterra, Espanha e Itália juntam-se à UEFA na contestação à competição que juntaria pelo menos 12 das principais equipas de futebol da Europa.

A UEFA reafirmou neste domingo que excluirá os clubes de futebol que integrem uma eventual Superliga Europeia, e que tomará “todas as medidas necessárias, a nível judicial e desportivo” para inviabilizar a criação daquilo que descreve como um “projeto cínico”.

A organização disse contar com o apoio das federações de Inglaterra, Espanha e Itália, bem como das ligas de futebol profissional destes três países, para combater a criação da Superliga Europeia, depois de “ter tomado conhecimento que alguns clubes ingleses, espanhóis e italianos poderão estar a planear” o seu desenvolvimento.

Segundo o jornal britânico “The Sunday Times”, o projeto da Superliga conta com o apoio dos clubes ingleses Arsenal, Chelsea, Liverpool, Manchester City, Manchester United e Tottenham, dos espanhóis Atlético de Madrid, Barcelona e Real Madrid, e dos italianos Inter de Milão, Juventus e Milão.

“Tal como já foi anunciado pela UEFA e por aqueles seis organismos, informamos que os clubes envolvidos serão impedidos de disputar qualquer outra competição, a nível nacional, europeu e mundial e os seus jogadores não poderão representar as respetivas seleções nacionais”, informou a UEFA, em comunicado.

O organismo regulador do futebol europeu assinalou que unirá esforços com as federações e ligas de três das maiores potências da modalidade para “travar este projeto cínico, que é fundado no egoísmo de alguns clubes, numa altura em que a sociedade precisa mais do que nunca de solidariedade”.

“Tomaremos todas as medidas necessárias, a nível judicial e desportivo, para impedir que isso aconteça. O futebol é alicerçado em competições abertas e no mérito desportivo. Não poderá ser de outra forma”, advertiu a UEFA, apelando a “todos os amantes do futebol, adeptos e políticos, para se juntarem na luta” contra a criação da Superliga Europeia.

Em janeiro, a FIFA já tinha avisado, num comunicado conjunto com as confederações do futebol mundial, que impediria de participar nas suas competições qualquer clube ou jogador que integrasse uma eventual competição de elite, disputada por convite por alguns dos maiores clubes europeus.

A UEFA deve anunciar na segunda-feira o novo formato das competições europeias a partir da época 2024, sendo esperado uma alteração no modelo da Liga dos Campeões e um aumento para 36 equipas.

Relacionadas

Superliga europeia: uma liga de 3,5 mil milhões de euros

A Superliga europeia é um torneio de 20 equipas idealizado para começar em 2021. A competição seria semelhante à Liga dos Campeões, sem a influência da UEFA, mas está a causar grande mal estar nas mais altas esferas do futebol mundial.

Liga dos Campeões pode ser alargada e perder fase de grupos para impedir Superliga europeia

A ameaça de uma Superliga europeia que excluiria as ligas periféricas perturba a UEFA, que quer aumentar o número de jogos europeus e acabar com os habituais encontros “para cumprir calendário” das equipas que se apuram em quatro ou cinco partidas da fase de grupos.

FIFA promete banir clubes ou jogadores que disputem futura Superliga Europeia

“Qualquer clube ou jogador envolvido em tal competição não poderia, portanto, participar de nenhuma competição organizada pela FIFA ou das respetivas confederações”, pode ler-se em comunicado conjunto da FIFA e confederações
Recomendadas

Euro2020: Dinamarqueses apadrinham estreia de vizinhos finlandeses

A Finlândia está pela primeira vez numa fase final e além de ser a seleção com valor de mercado mais baixo das 24 em competição tem pela frente no seu primeiro uma antiga campeã europeia.

“Euro em Milhões”. Frio e desequilibrado. Dinamarca e Finlândia medem forças em Copenhaga

A seleção menos valiosa do Euro e a surpreendente campeã europeia de 1992 medem forças na partida de abertura do Grupo B, no Parken Stadium, em Copenhaga.
Comentários