UGT apela a que não restrinjam internet a estudantes e trabalhadores

A central sindical lembrou que o Governo estabeleceu a possibilidade de as operadoras de telecomunicações limitarem e inibirem a plena utilização da internet e outros serviços, de forma a salvaguardar o normal funcionamento das redes para serviços críticos e essenciais.

Cristina Bernardo

A UGT apelou esta quinta-feira ao Governo e às operadoras de telecomunicações para que as restrições de acesso à internet não prejudiquem os trabalhadores e os estudantes que estão em teletrabalho ou ensino à distância.

Numa nota de imprensa, a central sindical lembrou que o Governo estabeleceu a possibilidade de as operadoras de telecomunicações limitarem e inibirem a plena utilização da internet e outros serviços, de forma a salvaguardar o normal funcionamento das redes para serviços críticos e essenciais.

“Esta é uma medida que a UGT compreende e subscreve, (…) na medida que se afigura ser importante para dar resposta a uma crise de saúde pública que coloca em causa a vida de todos nós. No entanto, devemos alertar que consideramos que esta medida impõe regulação e intervenção adicionais, que ponham cobro a potenciais consequências negativas para os trabalhadores, estudantes e consumidores, num momento de grave crise pandémica, que implica que centenas de milhar de cidadãos se encontrem nas suas casas em regime de teletrabalho e ensino à distância”, afirmou.

Assim, a UGT exigiu que o Governo tome medidas que garantam que “o direito ao trabalho e o direito à educação, não são comprometidos”.

A central sindical defendeu ainda que é necessário deixar claro que os trabalhadores que não consigam desenvolver a sua atividade profissional em casa, devido àquela determinação do Governo, não podem ser responsabilizados por tal.

A UGT considerou ainda essencial garantir o acesso, em condições adequadas, aos serviços de telecomunicações para os agregados em que existam alunos com ensino à distância e defendeu a gratuitidade da internet, com caráter de urgência, para todos os agregados mais carenciados.

Ler mais
Recomendadas

GNR barra 196 trabalhadores na cerca sanitária em Odemira

A GNR controlou hoje os acessos de um total de 1.425 trabalhadores na cerca sanitária em duas freguesias do concelho de Odemira e rejeitou a entrada ou saída de 196, por não apresentarem testes negativos à covid-19.

Primeiro voo tripulado inteiramente privado para a estação espacial será em janeiro

O primeiro voo tripulado inteiramente privado para a Estação Espacial Internacional (EEI) deverá realizar-se em janeiro de 2022, anunciou hoje a empresa operadora.

Odemira identifica mais de 300 trabalhadores a viverem sem condições

As autoridades já identificaram mais de 100 alojamentos para trabalhadores agrícolas no concelho de Odemira (Beja), onde vivem mais de 300 pessoas, em situação de sobrelotação ou insalubridade, revelou esta segunda-feira o presidente da câmara.
Comentários