UGT apela a que não restrinjam internet a estudantes e trabalhadores

A central sindical lembrou que o Governo estabeleceu a possibilidade de as operadoras de telecomunicações limitarem e inibirem a plena utilização da internet e outros serviços, de forma a salvaguardar o normal funcionamento das redes para serviços críticos e essenciais.

Cristina Bernardo

A UGT apelou esta quinta-feira ao Governo e às operadoras de telecomunicações para que as restrições de acesso à internet não prejudiquem os trabalhadores e os estudantes que estão em teletrabalho ou ensino à distância.

Numa nota de imprensa, a central sindical lembrou que o Governo estabeleceu a possibilidade de as operadoras de telecomunicações limitarem e inibirem a plena utilização da internet e outros serviços, de forma a salvaguardar o normal funcionamento das redes para serviços críticos e essenciais.

“Esta é uma medida que a UGT compreende e subscreve, (…) na medida que se afigura ser importante para dar resposta a uma crise de saúde pública que coloca em causa a vida de todos nós. No entanto, devemos alertar que consideramos que esta medida impõe regulação e intervenção adicionais, que ponham cobro a potenciais consequências negativas para os trabalhadores, estudantes e consumidores, num momento de grave crise pandémica, que implica que centenas de milhar de cidadãos se encontrem nas suas casas em regime de teletrabalho e ensino à distância”, afirmou.

Assim, a UGT exigiu que o Governo tome medidas que garantam que “o direito ao trabalho e o direito à educação, não são comprometidos”.

A central sindical defendeu ainda que é necessário deixar claro que os trabalhadores que não consigam desenvolver a sua atividade profissional em casa, devido àquela determinação do Governo, não podem ser responsabilizados por tal.

A UGT considerou ainda essencial garantir o acesso, em condições adequadas, aos serviços de telecomunicações para os agregados em que existam alunos com ensino à distância e defendeu a gratuitidade da internet, com caráter de urgência, para todos os agregados mais carenciados.

Ler mais
Recomendadas

PremiumExploração espacial: Todos os caminhos vão dar a Marte

O planeta vermelho está por estes dias cheio de trânsito: três missões – dos Estados Unidos, da China e dos Emirados Árabes Unidos – evoluem em paralelo, na tentativa de darem a perceber melhor as suas caraterísticas, até porque a NASA pretende trazer amostras recolhidas pela Perseverance de volta para a Terra. Entre o sonho humano de chegar sempre mais longe e a vontade política de comandar esse sonho, Marte é a próxima fronteira.

PremiumCuidados intensivos são última fronteira para a reabertura

Forte descida no número de infetados e de óbitos reflete-se de forma lenta nos casos mais graves e impõe “ponderação e prudência” ao Governo.

Supremo Tribunal de Justiça confirma prisão efetiva de cinco anos e oito meses de João Rendeiro

Embora o antigo presidente do Banco Privado Português (BPP) tenha sido condenado pelo Tribunal da Relação a uma pena efetiva de cinco anos e oito meses de cadeia, tal resultou do cúmulo jurídico das penas inferiores aplicadas aos vários crimes de falsidade informática e de falsificação de documentos dos quais foi considerado culpado.
Comentários