‘Um Homem Só’ retrata emigração de portugueses para França e chega ao Baltazar Dias esta quinta-feira

O espetáculo é baseado na obra ‘Uma Tragédia Portuguesa’.

Um Homem Só – Emigrações é a proposta do Teatro Municipal Baltazar Dias entre quinta-feira e domingo. O espectáculo está a cargo do Teatro Experimental do Funchal e é baseado na obra de João França intitulado ‘Uma Tragédia Portuguesa’ que aborda a emigração de portugueses para França.

O espetáculo aborda um cenário “decorrente da ditadura do Antigo Regime e do pós Revolução dos Cravos, habitado por um emigrante clandestino, refratário, desertor da guerra do ultramar e anti-herói deste história”.

A obra de João França, que é base do espectáculo do Teatro Experimental do Funchal, fala sobre a emigração de portugueses para França com a passagem por Espanha que foi feita de forma clandestina.

Uma Tragédia Portuguesa foi uma publicação póstuma de João França, que nasceu na Madeira, e que nas suas obras reflectia sobre os problemas sociais da sua terra.

Recomendadas

Madeira: PCP propõe gabinete para micro e pequenas empresas acederem a medidas de apoio ao coronavírus

Os comunistas madeirenses alertam que o acesso aos apoios às empresas, que foram decretados pelos governos, requerem um conjunto de actos burocráticos que muita micro e pequenas empresas da região não vão ter condições humanas e técnicas para poder concretiza-las e para aceder aos referidos apoios.

Câmara do Funchal lança guia de boas práticas para comerciantes lidarem com coronavírus

Este guia reúne as práticas a adotar nesta nova fase de modo a que os empresários possam proceder à reabertura dos seus espaços comerciais em plena segurança, explicou Miguel Gouveia, presidente da Câmara Municipal do Funchal.

Coronavírus: Madeira vai manter estratégia de controlo de entrada de passageiros

O presidente do Governo da Madeira disse que a única forma que temos de controlar focos potenciais do vírus na região, e de proteger a vida dos cidadãos passa por se a capacidade de controlarmos as entradas na região. Miguel Albuquerque refere que “não estão a ser violados Direitos, Liberdades e Garantias. Estamos para proteger outros direitos, como o direito à saúde e à vida da restante população, para restringir e salvaguardar desses potenciais focos de infeção”, acrescentou o governante.
Comentários