Um negócio de luxo: Michael Kors vai comprar Versace por 1,7 mil milhões

Versace, a casa de moda italiana fundada por Gianni Versace há 40 anos, vai ser comprada por Michael Kors por 2 mil milhões de dólares.

Michael Kors

O estilista de moda norte americano, Michael Kors, vai comprar a marca de luxo italiana, Versace.

Avaliada, atualmente, em 2 mil milhões de dólares (1,7 mil milhões de euros), o grupo de moda americano, pretende adicionar a italiana ao seu portefólio de marcas sofisticadas, avança a Reuters.

Como parte do acordo, a Blackstone (uma empresa de private equity norte-americana), que detém 20% da empresa, sairá completamente do acordo, enquanto a família Versace, proprietária da restante casa de moda, ficará com uma percentagem maior da quota da empresa.

Depois de investir na Versace, a Blackstone achou o desempenho do grupo de moda decepcionante e insuficiente, escreve Reuters. ”A Blackstone não ia investir mais dinheiro, [a Versace] precisa de um comprador que possa fazer grandes investimentos, [a Blackstone] gradualmente persuadiu a família (Versace) a considerar uma possível venda e apresentou-os a um número de compradores, incluindo Michael Kors” refere a agência.

Donatella Versace, irmã do falecido fundador Gianni, que também é diretora artística e vice-presidente do grupo com sede em Milão, pediu uma reunião com a equipa da empresa esta terça feira, 25 de setembro.

Recomendadas

Governo aprova linha de crédito para empresas afetadas pela tempestade Leslie

Regime excecional de contratação de empreitadas públicas aprovado em Conselho de Ministros prevê a possibilidade de contratação por ajuste direto, após consulta a três entidades, de empreitadas até cinco milhões de euros.

Conselho Europeu de Inovação premeia sete entidades em Portugal

Nesta primeira ronda de financiamento, o FET Open recebeu 375 propostas e atribuiu financiamento a 236 beneficiários de 23 países europeus.

PróToiro critica OE2019 de “censura cultural” perante fim da isenção de IVA para artistas taurinos

A Federação Portuguesa de Tauromaquia repudia ”veemente” as propostas “ilegais e discriminatórias” presentes na proposta orçamental para o próximo ano. A entidade critica, por exemplo, que o IVA das touradas se mantenha nos 13% quando o de outras atividades culturais baixa para 6%.
Comentários