Um negócio de luxo: Michael Kors vai comprar Versace por 1,7 mil milhões

Versace, a casa de moda italiana fundada por Gianni Versace há 40 anos, vai ser comprada por Michael Kors por 2 mil milhões de dólares.

Michael Kors

O estilista de moda norte americano, Michael Kors, vai comprar a marca de luxo italiana, Versace.

Avaliada, atualmente, em 2 mil milhões de dólares (1,7 mil milhões de euros), o grupo de moda americano, pretende adicionar a italiana ao seu portefólio de marcas sofisticadas, avança a Reuters.

Como parte do acordo, a Blackstone (uma empresa de private equity norte-americana), que detém 20% da empresa, sairá completamente do acordo, enquanto a família Versace, proprietária da restante casa de moda, ficará com uma percentagem maior da quota da empresa.

Depois de investir na Versace, a Blackstone achou o desempenho do grupo de moda decepcionante e insuficiente, escreve Reuters. ”A Blackstone não ia investir mais dinheiro, [a Versace] precisa de um comprador que possa fazer grandes investimentos, [a Blackstone] gradualmente persuadiu a família (Versace) a considerar uma possível venda e apresentou-os a um número de compradores, incluindo Michael Kors” refere a agência.

Donatella Versace, irmã do falecido fundador Gianni, que também é diretora artística e vice-presidente do grupo com sede em Milão, pediu uma reunião com a equipa da empresa esta terça feira, 25 de setembro.

Recomendadas

“Vamos assistir à terceirização do e-commerce”, afirma presidente da ACEPI

O presidente da ACEPI, Alexandre Nilo Fonseca, considera que o ramo alimentar, “que até agora tem estado um bocadinho afastado do digital”, vai assistir a uma evolução no comércio ‘online’.

União Europeia facilita compras digitais mas Portugal falha prazo

“A Comissão está a acompanhar de perto a situação e em breve decidiremos as próximas medidas para garantir que todos os Estados-membros cumprem as suas obrigações”, diz Nathalie Vandystadt, porta-voz de Bruxelas.

Governo de Angola espera recessão de 1,7% em 2018

Ministro da Economia e Planeamento angolano referiu que depois de contrações de 2,6% e 0,1% em 2016 e 2017, respetivamente, a economia angolana deve ter aprofundado a queda no ano passado.
Comentários