Economia circular: um novo paradigma para os desafios atuais

Redução, reutilização e recuperação. São estas as palavras-chave para descrever aquele que deverá ser o novo paradigma: a economia circular.

Pedro Fernandes, Climate Change Technical Manager, APCER

Em oposição ao atual modelo de economia linear, a economia circular consiste em reduzir, reutilizar, recuperar e reciclar os materiais que utilizamos. O objetivo é sobretudo diminuir o consumo de recursos, através do reaproveitamento dos resíduos e das matérias primas não aproveitadas, à luz da velha lei “nada se perde e tudo se transforma”.

Numa era em que a Humanidade leva ao limite a capacidade de produção de recursos do planeta, a economia circular é vista, cada vez mais, como uma solução para um futuro mais sustentável.

Em declarações ao Jornal Económico, a especialista em sustentabilidade Sofia Santos defende que esta pode ser uma oportunidade para a economia portuguesa. “É necessário criatividade e também acesso a financiamento que consiga avaliar corretamente o potencial destes novos negócios”, diz.

Em Portugal, há cada vez mais empresas a integrar elementos de sustentabilidade nas suas gestão. Da banca ao retalho, passando pela energia, são vários os exemplos de empresas que abrem o trilho neste sentido (ver páginas 6 e 7). No entanto, persistem alguns obstáculos. Sofia Santos reconhece os avanços na economia de partilha nos últimos anos, mas defende a importância de alterar a atual “cultura consumista”.

É também neste sentido que realça “a necessidade de escalar o conceito de design circular para todos os bens”. O objectivo é que todos os produtos que consumimos sejam pensados e feitos de forma a respeitar os princípios da economia circular.

Neste xadrez há assim um conjunto de factores que se devem interceptar, tais como a necessidade de estabelecer parcerias, alterar modelos de negócio e alterar o acesso a financiamento.

“Há dificuldade em obter financiamento junto de investidores e banca tradicionais uma vez que se tratam de modelos de negócio novos, com pouquíssimo historial e que, como tal, trazem níveis de riscos elevados quando são analisados de forma tradicional, sendo necessário também desenvolverem-se modelos de análise apropriados a estes negócios circulares”, referiu. A chave pode estar na alteração da regulação, mas com o movimento ainda no início, a dificuldade surge em saber legislar o que se encontra

Ler mais
Recomendadas

Como manter a casa fresca com este calor abrasador?

Na rua, opte por vestir roupas leves e frescas, evite esforço físico e hidrate-se bem. Em casa, feche portas e janelas, corra os estores, persianas ou use toldos durante os períodos de maior calor.

Madrid vai parecer Marraquexe e Londres vai ter o clima de Barcelona. Como vamos viver em 2050?

As zonas temperadas ou frias do hemisfério norte vão ter temperaturas de cidades mais próximas do equador, sendo que estas mudanças climáticas vão apresentar efeitos prejudiciais à saúde e às infraestruturas.

Sede da UNESCO vai ter uma horta portuguesa

Ainda não há uma data definida para a implantação do projeto, mas estima-se que até ao final de 2019 a grande horta urbana, com assinatura portuguesa, da sede da UNESCO esteja já em fase de cultura.
Comentários