PremiumUm quinto dos cargos de administração nas cotadas são em acumulação

28 administradores acumulam cargos em várias empresas cotadas na bolsa de Lisboa. A acumulação é permitida pelas regras de mercado e aponta para a transversalidade de alguns grupos económicos em Portugal, que são acionistas em várias empresas. Associação de pequenos acionistas defende que administradores executivos não devem acumular cargos fora do seu grupo empresarial.

Quase um quinto dos cargos de administração nas empresas cotadas em Portugal são em acumulação. Um total de 28 administradores ocupam 67 cargos num universo de 370 cotadas em Portugal. Estes gestores ocupam posições executivas e não executivas em mais de 50% das empresas que negoceiam na Euronext Lisbon: em 20 das 38 companhias nos dois índices acionistas portugueses.

Estes valores contrastam com os revelados no último estudo feito em Portugal sobre a acumulação de cargos. Num relatório relativo a 2014, mas publicado em março de 2016, a CMVM revelou que em “apenas 20 dos 422 cargos nos órgãos de administração eram ocupados por administradores que não exerciam funções em mais nenhuma sociedade”. Ou seja, cerca de 95% dos administradores de empresas cotadas em 2014 ocupava funções noutras empresas.

Uma explicação para a percentagem mais baixa apurada pelo Jornal Económico (JE) é que esta análise só se debruçou sobre a acumulação de cargos nas cotadas, deixando de fora empresas exteriores à bolsa de Lisboa.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumJuan Carlos I: O rei sai nu

O exílio do rei emérito é a última oportunidade de preservação da monarquia espanhola – apesar de a possibilidade de secessão ser o verdadeiro problema do país. Juan Carlos ficará conhecido na história como o rei que atirou para o lixo a página dourada que sobre ele já tinha sido escrita e a substituiu por uma garatuja onde se acotovelam animais mortos, amantes e corrupção.

PremiumRicardo Costa: Identidade apurada ao sabor do tempo

40 anos de idade, 20 anos de carreira e 10 anos à frente do restaurante The Yeatman, com uma vista imperdível sobre o rio Douro. O chef Ricardo Costa soma números redondos de idade e experiência, além das duas estrelas Michelin que já tinha no cardápio, num ano que não está a ser fácil para o mundo. Fomos conhecer o homem por detrás da jaqueta de chef.

PremiumNasdaq: O imparável índice que avança à alta velocidade tecnológica

A aceleração da transição digital em tempos de pandemia, aliada ao apetite dos investidores pelo risco, tem levado o Nasdaq Composite a quebrar recordes sucessivos. Gigantes tecnológicas como a Apple, a Amazon, a Google e a Microsoft dominam um ‘rally’ que os analistas dizem que não deverá travar nos próximos tempos.
Comentários