MBA, uma “alavanca” para o mundo dos negócios

O programa avançado de gestão abre muitos caminhos. OJE foi conhecer dois antigos alunos que o consideram uma oportunidade de ver o mundo dos negócios de forma diferente e uma ajuda para desenhar novos rumos.

O Master of Business Administration, mais conhecido pela sigla MBA, é um curso que não é para todos, mas sim para quem já tem experiência profissional no mundo dos negócios, explicaram fontes contactadas pelo Jornal Económico (JE). Quem possui este tipo de formação, garante que é como uma alavanca para a criação de novas ideias e de novas empresas.

Artur Carvalho, administrador da consultora HMR, que terminou o MBA em 2016, sublinhou ao JE que esta experiência académica foi como “uma alavanca” para o mundo dos negócios.

“A minha entrada no MBA no ISEG, curiosamente, coincidiu com uma passagem profissional da indústria farmacêutica para o sector da distribuição farmacêutica, onde fui desempenhar funções na comissão executiva do maior operador em Portugal, a chamada Alliance Healht Care”, recordou.

Sendo a sua formação de base no sector farmacêutico, Artur Carvalho percebeu que tinha “um conjunto de lacunas relacionadas com áreas ligadas à gestão” que precisava de preencher para poder prosperar nesta área de negócio. E deu o passo.

O MBA serviu-lhe para “ter uma visão mais teórica” e alargar a rede de contactos. “No MBA temos idades diferentes, backgrounds diferentes, cursos e experiências distintos. Ver a forma como vários colegas conseguem abordar de forma também distinta os mesmos problemas enriquece-nos muito”, salienta.

“O MBA do ISEG está muito vocacionado para uma lógica de inovação, está muito vocacionado para nos obrigar a pensar, assenta numa lógica de construir um negócio”, garante.

Mais recentemente, em 2020 foi a vez de Rui Ferreira, senior business banker no Abanca Portugal, concluir o seu MBA na Universidade Autónoma de Lisboa (UAL). “Na altura, quando fiz a inscrição queria atualizar conhecimentos”, explicou ao JE, acrescentando que escolheu a UAL por ser a melhor em termos do binónio formação/preço.

“Começámos em novembro, as coisas foram correndo normalmente até que as coisas deixaram de ser normais…”. Chegou a pandemia e obrigou a formação a adaptar-se a uma nova realidade. Rui Ferreira considera que a UAL se adaptou bem aos novos tempos, passando as aulas a ser dadas de forma alternada entre formato presencial e à distância. “Terminámos com um delay de 15 dias face àquilo que era o calendário inicialmente previsto”, salienta.

Rui Ferreira garante que o seu MBA “não só cumpriu o objetivo de atualização de conhecimentos, como deu-me mais oportunidades. Uma delas de poder ver com ‘olhos’ mais organizados e mais estruturados a criação de negócio por conta própria, e a outra a possibilidade de regressar ao mundo académico”.

“O MBA abriu uma possibilidade de organizar de forma mais estruturada alguns pequenos negócios que já fazia e toda a informação do mundo dos negócios é sempre bem-vinda”, garantiu.

 

A vida depois do MBA
Tanto para Artur Carvalho como para Rui Ferreira, o MBA foi uma oportunidade para ver o mundo dos negócios de forma diferente e desenhar novos rumos.

Artur Carvalho sublinha que depois do MBA dois colegas do mestrado foram trabalhar para a Alliance Health Care, onde esteve até 2019. Entretanto, passou “para outra área, ligada à saúde. Sou o administrador da HMR, consultora do mercado da indústria farmacêutica. “Avaliamos a performance de mercado das indústrias farmacêuticas, assim como toda a sua dinâmica no sector porque coligimos dados das farmácias em Portugal, Espanha e Irlanda”.

Passados vários anos desde a sua formação continua a manter o contacto com os colegas do mestrado.

Rui Ferreira, por sua vez, está a “desenvolver um negócio em conjunto com alguns colegas do MBA, um projeto que poderá vir a tornar-se numa empresa real no âmbito das soluções para a reforma. Penso que há nicho de mercado, uma hipótese de desenvolver produtos nesta área”.

Depois da experiência na UAL, que também serviu para melhorar a perspetiva sobre os negócios que tinha no sector imobiliário, Rui Ferreira concluiu que este tipo de formação é para “as pessoas que tiverem curiosidade, iniciativa de perguntar”.

Ler mais
Recomendadas

Erasmus+: 26 mil milhões para apoiar mobilidade estudantil

Apresentado pela Presidência Portuguesa da União Europeia, o novo Erasmus+ quase duplica o orçamento anterior. Inclusão, digital e sustentabilidade são as novas áreas de aposta. Portugal quer triplicar o número de beneficiários do programa em 2021|27.

António Sampaio da Nóvoa: “É difícil identificar um património mais importante do que a língua portuguesa”

Comemora-se esta quarta-feira o Dia Mundial da Língua Portuguesa. António Sampaio da Nóvoa, embaixador de Portugal na UNESCO, grande impulsionador desta proclamação, destaca em entrevista ao Jornal Económico o valor único deste património.

Metade dos jovens portugueses não distingue opinião de facto na Internet, conclui estudo da OCDE

“Menos de metade dos jovens não distingue factos de opiniões. Antes, os jovens liam na enciclopédia e sabia-se que o que estava lá escrito era verdade. Agora procuram informação na internet” alertou o diretor da OCDE para a Educação, Andreas Schleider.
Comentários