União de Sindicatos contra concessão de estatuto de empresa em reestruturação à Parvalorem

A USI – Confederação Sindical fará chegar a sua posição, bem como a do SNQTB e SIB à ministra do Trabalho, a quem solicitará igualmente uma audiência com caráter de urgência, referem em comunicado.

Jose Manuel Ribeiro/Reuters

A União dos Sindicatos Independentes (USI) – Confederação Sindical tomou conhecimento do pedido da parte da Parvalorem para ser declarada empresa em reestruturação e insurgiu-se esta terça-feira contra a solicitação.

“Intenção essa transmitida em sede de concertação social, na qual infelizmente a USI não tem assento, num figurino pouco representativo que se mantém congelado na forma desde os tempos do PREC. Como se o tecido empresarial, sindical e social não tivesse evoluído nas últimas quatro décadas”, diz a estrutura sindical.

“É com enorme surpresa que, em plena crise pandémica, assistimos incredulamente à pretensão de uma empresa do universo público em querer despedir trabalhadores de forma massiva. Como que querendo o Estado tomar a iniciativa de dar os piores exemplos em termos de práticas de gestão, com isso contribuindo para o desemprego nesta altura tão difícil para todos os portugueses”, refere a estrutura sindical em comunicado.

“Um exemplo tanto mais pernicioso quanto não existem motivos substantivos para que este estatuto seja concedido à Parvalorem”, acrescenta.

Pelo que, face ao exposto, a USI – Confederação Sindical fará chegar a sua posição, bem como a do SNQTB e SIB à ministra do Trabalho, a quem solicitará igualmente uma audiência com caráter de urgência.

A Parvalorem é a empresa do Estado que tem por missão garantir a resolução do legado de créditos e de outros ativos, tendo em vista maximizar o encaixe financeiro e, consequentemente, limitar as potenciais perdas para o acionista, em decorrência da operação de reprivatização do BPN, “através de uma equipa profissional, coesa e comprometida com a obtenção e superação dos resultados esperados”, segundo o site da holding estatal.

“Estranhamos, pois, que a USI não tenha sido auscultada, tanto mais que esta Confederação Sindical tem, entre os seus membros, dois dos mais importantes Sindicatos do setor: o Sindicato Nacional dos Quadros e Técnicos Bancários (SNQTB) e o Sindicato Independente da Banca (SIB), os quais também eles não foram consultados sobre esta pretensão”, contesta a USI.

“A USI – Confederação Sindical, SNQTB e SIB não prescindirão dos instrumentos que a Lei lhes faculta para salvaguardar os interesses legítimos de todos os trabalhadores da Parvalorem”, refere a nota.

A atividade da Parvalorem, divide-se em 3 grandes áreas de negócio: Gestão da Carteira de Títulos ou de Créditos pertencentes à Sociedade; Aquisição e Gestão de Imóveis para revenda, no âmbito da sua atividade; e Prestação de Serviços de Consultoria, de serviços administrativos, de aprovisionamento, operacionais e informáticos, ao universo das sociedades que integram o universo “Pars” – Parvalorem, Parups e Parparticipadas – SGPS.

Ler mais
Recomendadas

EuPago regista perdas de operações de mais de 100 mil euros com suspensão temporária do MB Way

Segundo a empresa que executa pagamentos eletrónicos em Portugal, os comerciantes deixaram de receber um volume de pagamentos superior a 100 mil euros, por causa da suspensão temporária do meio de pagamento MBWay.

Comissão Europeia previu que no melhor cenário as perdas do Novo Banco com ativos do BES seriam entre 3 e 4 mil milhões

A Comissão Europeia, no documento publicado no início de 2018, revela, no ponto 224, a sua estimativa do custo da reestruturação do Novo Banco, e portanto do uso do Mecanismo de Capitalização Contingente (CCA), que “no melhor cenário” seria entre 3 e 4 mil milhões de euros. Sobre o EuroBic diz que o Novo Banco ainda está impedido de fazer aquisições, mas no futuro deve procurar operações que criem valor.

Presidente da sociedade que tem 75% do Novo Banco estava no Deutsche Bank quando assessorou o Banco de Portugal na venda

O presidente da Nani Holding que é dona de 75% do Novo Banco, frisou que entrou só em 2019, dois anos e meio depois de ter sido assinado a venda do banco liderado por António Ramalho, em 2017.
Comentários