União Europeia exportou mais de 400 mil milhões de euros em produtos químicos em 2020

Os principais destinos foram a Suíça e os Estados Unidos, que gastaram 51 mil milhões e 50 mil milhões em produtos químicos oriudos da UE. Já o Reino Unido gastou 33 mil milhões de euros e a China 21 mil milhões.

A Alemanha ocupou a posição cimeira entre os Estados-membro que mais produtos químicos exportara, para fora da União Europeia (UE) em 2020, tendo registado 105 mil milhões de euros em exportações.

De acordo com os dados divulgados pelo gabinete de estatísticas europeu (Eurostat), a soma dos 27 a nível das exportações de produtos químicos da UE foi significativamente superior à das importações, tendo aumentado continuamente de 242 mil milhões de euros em 2010 para 411 mil milhões de euros em 2020. Além da Alemanha, também a Irlanda (55 mil milhões de euros), Bélgica (51 mil milhões de euros) e França (45 mil milhões euros) viram um aumento na quantidade de produtos químicos exportados.

Os principais destinos foram a Suíça e os Estados Unidos, que gastaram 51 mil milhões e 50 mil milhões em produtos químicos oriundos da UE, em 2020, respetivamente. Já o Reino Unido gastou 33 mil milhões de euros e a China 21 mil milhões.

A nível de importações, a UE gastou gastos 233 mil milhões de euros nestes produtos, representando um aumento de 79 mil milhões de euros desde 2010. Com exceção de 2013 e 2020, as importações de produtos químicos aumentaram todos os anos durante o período de 10 anos. O crescimento médio anual durante todo o período foi de 4%, explica o Eurostat.

Feitas as contas, na última década, o excedente comercial da UE em produtos químicos com países não pertencentes ao bloco europeu aumentou de 88 mil milhões de euros, em 2010, para 178 mil milhões de euros, em 2020, o que equivale a um crescimento médio anual de 7%.

Recomendadas

Eurostat confirma taxa de inflação de setembro em máximos de 13 anos

A pressão inflacionária mantém-se na Europa, com a leitura para a inflação de setembro a revelar máximos que não se verificavam há 13 anos. Energia continua a ser a principal responsável pelo aumento de preços.

Portugal tem a oitava luz e o terceiro gás mais caros da UE

Os dados são referentes ao primeiro semestre, numa altura em que os preços ainda não tinham disparado para os máximos registados recentemente no mercado grossista ibérico.

Crise/Energia: Von der Leyen pede “verdadeiro trabalho de equipa europeu”

“Os preços do gás são cíclicos, e são fixados pelos mercados globais. Mas devido ao aumento do preço do gás, muitas famílias estão a sentir dificuldades para conseguir pagar as contas e as empresas estão em risco de fechar. Segundo facto: a energia solar é hoje dez vezes mais barata de produzir do que há 10 anos, e mesmo a energia eólica – que é, por definição, mais volátil – é hoje 50% mais barata do que há uma década”, disse a presidente da CE.
Comentários