Unicâmbio alarga rede de balcões de venda de ouro

O comércio do ouro usado voltou a acelerar com a atual crise da Covid-19, tal como tinha acontecido com a crise económica durante a intervenção da troika. A Unicâmbio entrou no negócio de compra e venda de ouro usado para responder à procura.

A Unicâmbio aumentou para 15 lojas onde é possível transacionar-se ouro usado, em resposta à procura cada vez maior de compra e venda deste metal precioso.

O comércio do ouro voltou a acelerar com a atual crise da Covid-19, depois dos anos da troika, em que com a crise económica, deu-se a valorização do ouro nos mercados internacionais e as ruas encheram-se de lojas de compra e venda de ouro.

A decisão da Unicâmbio “surge na sequência de um elevado número de solicitações apresentado pelas famílias portuguesas nas diversas lojas da empresa espalhadas pelo País. Para a Unicâmbio, esta resposta visa adaptar a empresa a um novo contexto socioeconómico, respondendo da melhor forma possível aos seus clientes, independentemente da procura estar relacionada com dificuldades financeiras ou com rentabilização de investimentos em ouro”, lê-se no comunicado da empresa líder de câmbios.

No comunicado a Unicâmbio anuncia que está a alargar a rede de balcões “onde é possível transacionar-se ouro usado, com as melhores taxas no mercado”. Isto dois meses depois de ter entrado no negócio da compra de ouro em cinco lojas – Almancil (Loulé), Praça da Figueira (Lisboa), Centro Comercial Babilónia (Amadora), Almada Fórum e Braga Parque –, a empresa líder nacional no mercado dos câmbios e transferências de dinheiro chega agora a mais dez pontos: Praça Patrão Joaquim Lopes (Olhão), Av. da República (Portimão), Praça do Chile (Lisboa), Av. dos Bons Amigos (Cacém/Sintra), Rua do Zambujal (Mem Martins/Sintra), Av. 25 de Abril (Cascais), R. D. Dinis (Odivelas), Av. Luísa Todi (Setúbal), Rua Sá da Bandeira (Porto) e Rua Dr. Justino Cruz (Braga).

“A compra de ouro usado é ainda uma área de negócio recente na Unicâmbio, que está a adaptar faseadamente os balcões às necessárias condições de segurança e privacidade exigidas pelo enquadramento legal deste setor. Todos os 15 pontos anunciados cumprem escrupulosamente as determinações legais necessárias a esta atividade”, assegura a empresa. Paulo Jerónimo, administrador da Unicâmbio, salienta na nota que “estamos ao lado de quem precisa, quando mais precisa. Depois de anunciarmos que íamos alargar os nossos serviços à compra de ouro, fomos procurados por muitas famílias em dificuldades. Passarmos de cinco para 15 balcões é a resposta possível para já, pois pretendemos chegar a todos aqueles que nos chamaram”.

Recomendadas

BCE apoia demasiadas empresas poluentes, acusa Greenpeace

O estudo demonstra que 63% das obrigações privadas adquiridas pelo BCE vêm de setores que utilizam as energias fósseis ou consomem muita energia, num ‘stock’ de cerca de 242 mil milhões de euros de títulos detidos pelo banco central no final de julho.

Associação quer testes gratuitos para trabalhadores de hotéis e restaurantes 

“Deve o Estado disponibilizar gratuitamente testes para as empresas, especialmente para aquelas que lidam diretamente com o público, como é o caso do alojamento turístico e da restauração e similares”, defende a AHRESP.

Google responde a acusação de monopólio: “Profundamente imperfeita”

Kent Walker, executivo da tecnológica, afirma que as empresas poderiam ter outros motores de busca, mas os utilizadores mostraram “repetidamente” uma preferência pelas ferramentas de pesquisa da Google.
Comentários