Universidade do Porto abre candidaturas para Escola de Startups

Os empreendedores graduados que tenham ideias de negócios ligadas às artes, ciências ou tecnologias e que queiram criar um negócio podem inscrever-se até 23 de setembro.

UPTEC Escola Startups

As candidaturas para a 10.ª edição da Escola de Startups do UPTEC – Parque de Ciência e Tecnologia da Universidade do Porto já estão abertas. O programa de aceleração de ideias de negócio tem a duração de três meses e aborda temas como o modelo de negócio, mercado e estratégia, propriedade intelectual, finanças, financiamento e apresentação do pitch.

As equipas que frequentarem a escola têm a oportunidade de assistir a workshops fundamentais para a criação de um negócio, agendar reuniões com parceiros estratégicos e empreendedores seniores, receber acompanhamento individual dos mentores do UPTEC e ainda de apresentar o projeto num evento público.

Os projetos selecionados que estejam a desenvolver tecnologias na área das telecomunicações vão ter o apoio do Vodafone Power Lab, através da entrada gratuita na Escola de Startups (isenção do pagamento da inscrição) e acesso ao espaço de incubação da Operadora no UPTEC. Este programa de incentivo à inovação e empreendedorismo da Vodafone Portugal apoia a incubação, oferece mentoring e formação, entre outras condições que contribuem para o desenvolvimento de novas empresas.

Em comunicado, a UPTEC refere que nas primeiras nove edições da iniciativa, a Escola de Startups recebeu para cima de 400 participantes, acelerou quase 200 projetos empresariais e deu origem à criação de cerca de 60 startups.

A Escola de Startups do UPTEC tem um custo por projeto de 250 euros, acrescido de IVA.

Recomendadas

Portugueses da Indico investem em empresa alemã de trotinetes

O primeiro fundo privado de investimento em capital de risco português investiu 3,25 milhões na TIER, principal empresa europeia de micro mobilidade.

PremiumCimeira de investidores voltou a Lisboa mas startups querem Silicon Valley

Nuno Fonseca, CEO da Sound Particles, criou a empresa em Leiria, mas, neste momento, 60% dos clientes são da Califórnia. O empresário português considera que as startups devem abrir horizontes e olhar para o “mercado global”.

Câmara de Lisboa pede desculpa por ainda não ter revelado contrato com Web Summit

O contrato com a Web Summit só vai ser revelado depois da autarquia e a organizada da conferência chegarem a acordo sobre as cláusulas a serem expurgadas.
Comentários