Ursula von der Leyen diz que compra de material de proteção “superou as necessidades”

Ursula von der Leyen garante que os 25 países da União Europeia vão conseguir abastecer o stock de produtos sanitários perante o agravamento da pandemia causada pelo novo coronavírus.

O concurso público levado a cabo pela Comissão Europeia (CE) para a compra de material de proteção para os hospitais (entre luvas, óculos de proteção, máscaras cirúrgicas e fatos de proteção) gerou propostas suficientes para encher o stock em 27 países da União Europeia (UE), explicou a presidente da CE, esta quarta-feira,  ao jornal espanhol “El País”.

“Cobrimos todas as necessidades e inclusive conseguimos mais material do que aquele que necessitávamos”, disse a presidente da Comissão Europeia em entrevista a este jornal espanhol. “Desta forma, Espanha, tal com outros estados-membro, vai passar a poder aceder a uma quantidade de material que solicitou e que poderá distribuir pelos hospitais.”

Em termos de apoios económico, a presidente da comissão conta que foram relaxadas “as regras de auxílio estatal dos Estados”, o que vai permitir que o governo espanhol desbloqueie apoios no valor de até 20 mil milhões de euros para “apoiar as pequenas e médias empresas e trabalhadores independentes”.

Ursula von der Leyen respondeu ainda às criticas vindas de Itália sobre como em algumas regiões o apoio sanitário chinês chegou primeiro do que o apoio dos parceiros europeus, dizendo que “devemos estar agradecidos” com a chegada de qualquer tipo de apoio.

“Esta semana falei por telefone com o primeiro-ministro da China, Li Keqiang, e ele recordou-me que quando a China foi atingida pelo vírus em janeiro a União Europeia enviou imediatamente 56 toneladas de material médico de ajuda. E eles não se esqueceram disso. Por isso, quando de repente tivemos necessidade, eles quiseram retribuir-nos o favor. Devemos estar agradecidos e é desse tipo de solidariedade de que precisamos”, sublinhou von der Leyen.

Por fim, foi questionada sobre o impacto que a pandemia poderá ter sobre o espaço Schengen numa altura em que, após decretarem estado de emergência, vários países retomaram o controlo das suas fronteiras para fazer frente à crise do novo coronavírus.

Von der Leyen reconhece as medidas adotadas pelos países europeus “causou danos graves ao fluxo de mercadorias e ao funcionamento do mercado único”, porém garante que já se conseguiu retomar a normalidade e que praticamente “já não existem filas nas fronteiras”.

Por fim, o jornal espanhol questionou a comissária como está esta situação a afetar a sua vida pessoal. Ao “El Pais” Von der Leyen confessou que já não vê a sua famílias “há várias semanas” e que não poderá regressar a casa por muitas mais.

“Os meus sete filhos estão em casa do meu marido o que é bom”, afirmou. “O que fazemos é conversar por Skype todas as noites e discutir o dia que tivemos. Isso me dá forças para continuar”.

 

Ler mais
Recomendadas

Empresa portuguesa desenvolve equipamento para criar quartos de pressão negativa

Tecnologia permite transformar quartos convencionais em quartos de pressão negativa para tratar doentes infectocontagiosos, bem como fazer a purificação do ar eliminando assim os vírus e bactérias e prevenindo a contaminação.

Santander Totta vai passar a pagar aos fornecedores a pronto pagamento

“Esta medida reforça o conjunto de outras que o Santander tem vindo a implementar para apoiar a economia e minimizar os impactos negativos provocados pela Covid-19, com especial foco na tesouraria e liquidez dos seus clientes”, referiu o Santander Totta.

Itália regista 760 óbitos nas últimas 24 horas e um aumento ligeiro no número de casos confirmados

As autoridades de saúde italianas reportaram no relatório desta quinta-feira mais 760 mortes nas últimas 24 horas, mais 33 vítimas mortais do que ontem.
Comentários