Ursula von der Leyen foi eleita pela margem mais estreita em 25 anos

É preciso recuar até ao momento em que Jacques Santer sucedeu ao “eterno” Jacques Delors para encontrar uma votação para a presidência da Comissão Europeia tão renhida. A até agora ministra da Defesa da Alemanha esteve longe de conseguir fazer o pleno entre as três maiores famílias políticas do Parlamento Europeu.

A democrata-cristã alemã Ursula von der Leyen conseguiu nesta terça-feira o feito histórico de tornar-se a primeira mulher a presidir à Comissão Europeia, mas as dificuldades e impasses no processo de sucessão do luxemburguês Jean-Claude Juncker ficaram bem patentes na votação que obteve no Parlamento Europeu, obtendo apenas 383 boletins favoráveis, contra 327 votos contrários, 22 abstenções e um voto em branco, pelo que teve a confirmação por margem mais estreita desde 1994, quando o também democrata-cristão luxemburguês Jacques Santer teve apenas mais 18 eurodeputados a favor do que contra.

Os 383 votos que permitiram a confirmação da até agora ministra da Defesa da Alemanha só superam os 382 que Durão Barroso somou em 2010, quando foi reconduzido para um segundo mandato, e os 262 eurodeputados que Santer teve a seu favor no Parlamento Europeu quando chegou a hora de suceder ao socialista francês Jacques Delors, considerado o “senhor Europa” que liderou a integração de Portugal e de Espanha e lançou as sementes para novos alargamentos da União Europeia (criada em 1994 a partir da Comunidade Económica Europeia) e para a adoção do euro.

E isto apesar de Ursula von der Leyen ser a candidata do Partido Popular Europeu, que tem a maior bancada, com 182 deputados, e de as lideranças da Aliança Progressista de Socialistas e Democratas (S&D) e do Renovar Europa terem apelado à sua aprovação. Tendo em conta que o pleno das três maiores famílias políticas de Estrasburgo implicaria um total de 443 deputados, e que apesar de o voto ser secreto várias outras forças políticas anunciaram publicamente apoio à alemã, mais de 60 eleitos socialistas e centristas recusaram-se a seguir o entendimento saído do Conselho Europeu extraordinário em que vários chefes de Governo chumbaram o acordo entre a chanceler alemã Angela Merkel e o presidente francês Emmanuel Macron para que o socialista holandês Frans Timmermans assumisse a presidência da Comissão Europeia.

Particularmente impressionante é o número daqueles que rejeitaram a candidata, visto que os 327 votos contrários ficam muito acima dos 250 que Juncker recebeu em 2014, dos 215 e 219 que o português Durão Barroso obteve em 2004 e 2010, dos apenas 72 que recusaram o nome do italiano Romano Prodi em 1999 e até dos 244 que ficaram perto de chumbar Santer em 1994. Só que há 25 anos, ainda sem o alargamento à Europa de Leste e a alguns países do Mediterrâneo, o hemiciclo de Estrasburgo estava menos composto, tendo votado na confirmação do presidente da Comissão Europeia apenas 530 eurodeputados.

Para a elevada rejeição de Ursula von der Leyen contribuiu o aumento do peso das famílias políticas que se encontram fora do centro político da União Europeia. Desde logo ficou clara a posição dos Verdes – Aliança Livre Europeia (74 eurodeputados) e da Esquerda Unitária Europeia-Esquerda Nórdica Verde (41), mas os compromissos assumidos pela política alemã com a S&D e o Renovar Europa no que toca a ambiente e imigração também não fizeram maravilhas pela sua popularidade nos grupos Identidade e Democracia (do italiano Matteo Salvini e da francesa Marine Le Pen) e dos Conservadores e Reformistas Europeus.

Recomendadas

Itália à procura de governo: de iniciativa presidencial ou segundo o modelo Ursula?

Matteo Salvini não quer outra coisa que não as eleições antecipadas, mas os seus opositores querem tudo menos isso. O Presidente Sergio Mattarella terá que decidir.

Londres deixa de participar na maior parte das reuniões da União Europeia a 1 de setembro

“Muitas das discussões nestas reuniões com a UE têm a ver com a União depois da saída do Reino Unido. Libertar os representantes dessas reuniões permite que eles concentrem melhor os seus talentos nas prioridades nacionais imediatas”, afirmou Steve Barclay.

“O ideal era que todos saíssem vivos, mas preferimos salvar os reféns”, diz governador do Rio de Janeiro após sequestro

Wilson Witzel parabenizou o trabalho do BOPE e lamentou a morte do sequestrador. Aos jornalistas, o governador do Rio de Janeiro apelou para que “este tipo de atrocidade” não se volte a repetir e anunciou que a família do criminoso terá acompanhamento.
Comentários