Ursula von der Leyen: “No mar existe o dever de salvar vidas”

Discurso da candidata a presidente da Comissão Europeia antes da votação do seu nome no Parlamento Europeu ficou marcada por uma mensagem ambientalista e feminista. Mas também por palavras sobre a crise dos refugiados particularmente direcionadas a Matteo Salvini.

A candidata a presidente da Comissão Europeia Ursula von der Leyen voltou a dirigir-se nesta terça-feira aos deputados do Parlamento Europeu antes da votação que a pode confirmar como a primeira mulher a liderar o executivo da União Europeia, optando por um discurso que juntou feminismo, ambientalismo e a sua “visão de uma Europa mais unida e justa”. Mas também um ataque cerrado a alguns governantes europeus, nomeadamente o vice-primeiro-ministro italiano Matteo Salvini, obtendo uma ovação no hemiciclo de Estrasburgo ao lembrar o número de mortes por afogamento no Mediterrâneo e acrescentando que “no mar existe o dever de salvar vidas”.

A ainda ministra da Defesa da Alemanha também garantiu aos eurodeputados, sobretudo aos das famílias políticas da Aliança Progressista dos Socialistas & Democratas e do Renovar Europa, essenciais para a eleição de mais um presidente da Comissão Europeia saído das fileiras do Partido Popular Europeu, que nunca “haverá compromissos quanto está em causa o primado do Estado de Direito”, deixando entender que “a Europa tem de ter a coragem de tomar posições por maioria qualificada”. Algo que dificilmente lhe trará apoios entre os governos italiano, polaco e húngaro, entre outros, mas será a convicção da política democrata-cristã alemã.

Além de voltar a prometer que a sua Comissão Europeia será a primeira a ter total igualdade de género, garantindo que não hesitará em pedir novos nomes se os governos nacionais não apresentarem – como já pediu – um homem e uma mulher como alternativas, Ursula von der Leyen falou na criação de um salário mínimo europeu que garanta boas condições de vida para qualquer trabalhador, na facilitação do acesso a financiamento das pequenas e médias empresas e, como seria de esperar, numa grande aposta no ambiente.

Vendo a Europa como “o primeiro continente com neutralidade climática”, a candidata a presidente da Comissão Europeia disse que “é preciso dar passos corajosos”, incluindo o corte das emissões poluentes em mais de 50%, “ou mesmo 55%”, até 2030, muito acima da atual meta de 30%. Ursula von der Leyen prometeu a apresentação de um “Pacote Verde para a Europa” nos seus primeiros 100 dias no poder, avançando com investimentos na ordem de um bilião de euros na próxima década.

Recomendadas

Banco central baixa previsão sobre queda da economia brasileira para 5%

As novas estimativas estão em linha com as projeções de agentes do mercado consultados semanalmente pelo Banco Central, que prevê uma retração económica de 5,05% no PIB brasileiro em 2020. O Brasil ainda recupera de uma grave recessão entre os anos de 2015 e 2016, período em que o PIB caiu sete pontos percentuais.

Rússia anuncia que vai cooperar com o Irão

O ministro das Relações Exteriores russo disse que o seu país iniciará imediatamente a cooperação com o Irão assim que o embargo sobre a venda de armas expirar – o que acontecerá em outubro.

Angola: Manuel Vicente denuncia manobra de diversão

O ex-vice-presidente de Angola Manuel Vicente negou ter-se apropriado de 193 milhões de euros da Sonangol, como denunciou o antigo gestor de Isabel dos Santos, e apelida a acusação de “indecorosa manobra de diversão”.
Comentários