Usa caderneta bancária? Levantamentos de dinheiro acabam a a 14 de setembro

Esta medida é uma consequência direta da entrada em vigor das novas regras europeias, que exigem mais segurança nas operações bancárias. Clientes do Montepio Geral, Caixa Geral de Depósitos e Crédito Agrícola só vão ser utilizadas para consultar o saldo bancário.

As famosas cadernetas dos bancos vão estar limitadas apenas à consulta do saldo disponível e aos movimentos contabilísticos, noticia o jornal ‘Correio da Manhã’ esta terça-feira. A data para o fim do levantamento de dinheiro com este formato termina no próximo dia 14 de setembro, na Caixa Geral de Depósitos, Crédito Agrícola e Montepio Geral.

Esta medida é uma consequência direta da entrada em vigor das novas regras europeias, que exigem mais segurança no que refere as operações bancárias. Apesar de continuarem a ser utilizadas, apenas podem ser utilizadas para a consulta de saldo nas máquinas das respetivas entidades.

Para avançar com esta medida, os bancos tiveram de pedir autorização ao Banco de Portugal, sendo que o regulador considerou que as três entidades bancárias poderiam manter as cadernetas.

A partir da data limite, 14 de setembro, os clientes dos três bancos vão ter de aderir ao cartão de débito para continuar a realizar operações. A CGD vai disponibilizar um cartão gratuito por um ano, enquanto o Crédito Agrícola vai promover a adesão a este cartão aos utilizadores que apenas têm caderneta.

Por ter 290 mil clientes com caderneta, a CGD disponibilizou a app Caderneta, com as mesmas especificidades da física. Este ano, a CGD aumentou o custo de levantamento de dinheiro através da caderneta para 2,86 euros.

Recomendadas

CFP alerta para impacto “desconhecido” no capital do Novo Banco da litigância com o Fundo de Resolução

No relatório “Perspetivas económicas e orçamentais 2020-2022”, o CFP diz que “existe um risco adicional para as finanças públicas caso o rácio de capital total do Novo Banco se situe abaixo do requisito estabelecido pelas autoridades de supervisão”. Nesta situação, o Estado Português poderá ter de disponibilizar fundos adicionais de forma a que o banco cumpra os requisitos regulatórios. É a chamada Capital Backstop que foi autorizada por Bruxelas para casos “extremos”. O CFP alerta para incógnita sobre o impacto no capital do banco do diferendo na contabilização das IFRS 9.

Extensão das moratórias até 31 de março de 2021 vai hoje a Conselho de Ministros

Proposta das Finanças prevê extensão das moratórias públicas até março de 2021 e o alargar os créditos que poderão beneficiar do regime, como créditos para segunda casa e crédito ao consumo para financiar educação.

Banco Mundial alerta para falta de fundos para os mais pobres

Para David Malpass, o efeito devastador da pandemia na economia mundial é muito superior aos 5 biliões de dólares de riqueza destruída apontados numa primeira estimativa de danos.
Comentários