Vacina da AstraZeneca e gabinete de Joe Biden animam Wall Street

O mercado entende a nomeação da antiga presidente da Fed, Janet Yellen para secretária de Estado do Tesouro norte-americano como a possibilidade de serem anunciados mais estímulos económicos .

A trader wears glasses that say “2017” ahead of the new year on the floor of the New York Stock Exchange (NYSE) in Manhattan, New York City, U.S., December 30, 2016. REUTERS/Stephen Yang

Os três principais índices da bolsa de Nova Iorque encerraram esta noite no verde, com o sentimento do mercado impulsionado com as notícias sobre a taxa de eficácia desenvolvida pela AstraZeneca e com a mais do que possível nomeação de Janet Yellen para secretária de Estado do Tesouro norte-americano.

O industrial Dow Jones subiu 1,12%, para 29,591,27 pontos, o S&P 500 avançou 0,56%, para 3.577,59 pontos; e o tecnológico Nasdaq ganhou 0,22%, para 11.880,63 pontos.

A AstraZeneca anunciou que os ensaios clínicos demonstraram que a sua vacina contra a Covid-19 tem uma taxa de eficácia de 70%, o que animou o mercado.

O sentimento do mercado também foi impulsionado com a possibilidade de Joe Biden nomear a antiga presidente da Reserva Federal norte-americana, Janet Yellen, para secretária de Estado do Tesouro, segundo o “Washington Post”, encarando esta nomeação com a possibilidade de novos estímulos económicos.

Nas matérias-primas, o preço do petróleo avança mais de 1% nos dois lados do Atlântico. O Brent ganha 1,64%, para 45,78 dólares e o WTI soe 1,04% para 42,86 dólares.

Relacionadas

Ex-presidente da Fed apontada para Secretária do Tesouro da administração Biden

Janet Yellen, que fez um mandato como responsável máxima da Reserva Federal, prepara-se para fazer história como a primeira mulher a ocupar o cargo de Secretária do Tesouro, um cargo com uma particular importância, tendo em conta os desafios colocados pela economia norte-americana, a recuperar da crise causada pela pandemia.

Wall Street começa semana animada com disponibilidade da vacina

No início da sessão, o S&P 500 sobe 0,59%, para 3,578.49 pontos, o tecnológico Nasdaq valoriza 0,458%, para 11,924.10 pontos, e o industrial Dow Jones cresce 0,64%, para 29,451.13 pontos.

PremiumA vacina e as bolsas: Braço de ferro entre a injeção de otimismo e a realidade imediata

Após a reação eufórica e ganhos nas bolsas à notícia da eficácia de 90% na vacina da Pfizer e da BioNTech na semana passada, os resultados dos testes da Moderna foram recebidos com mais contenção, apesar de uma eficácia superior e vantagens em termos de armazenamento. O efeito da eleição de Joe Biden para a Casa Branca, que tinha ajudado aos ganhos na semana passada, já está dilúido, tal como está o factor surpresa sobre a vacina. Em sentido contrário, o aumento do número de infeções e mortes em várias regiões deve levar a mais restrições e danos económicos permanentes, preocupações que se sobrepõem ao otimismo sobre a vacina.
Recomendadas

Wall Street encerra no verde em dia de tomada de posse do novo presidente dos EUA

A tendência de ganhos em Wall Street prossegue no dia de tomada de posse do novo presidente dos EUA, Joe Biden.

Bolsa de Lisboa é a única que cai na Europa

As valorizações da EDP Renováveis e da Galp de mais de 1% não evitaram a queda do índice lisboeta. Europa fecha no verde.

Wall Street abre em alta no dia da tomada de posse de Biden

Resultados da banca acima do esperado e sinal de que Joe Biden vai estimular a economia norte-americana está a animar a bolsa de Nova Iorque.
Comentários