“Vacinação? Portugueses em idade ativa são quem mostra mais resistência”, realça diretora da ENSP

Um em cada quatro portugueses em idade ativa mostra resistência à vacina, conclui barómetro da Escola Nacional de Saúde Pública. Embora os dados sugiram “alguma preocupação”, Carla Nunes, diretora da ENSP, frisa em entrevista à JE TV que os valores não são “suficientemente graves para pôr em causa a execução do plano de vacinação”.

Numa altura em que Portugal regista mais de dois milhões de doses administradas contra a Covid-19, o número de portugueses que ainda mostra alguma resistência à toma da vacina continua a aumentar.

“Tem havido uma consolidação da vacina de forma geral”, explica Carla Nunes. Porém, são os grupos etários dos 25-45 e 45-65 “que neste momento mostram mais resistência à toma da vacinação” por terem dúvidas quanto à sua segurança e eficácia, diz a diretora da Escola Nacional de Saúde Pública da Universidade NOVA de Lisboa, na Fast Talk da plataforma multimédia JE TV.

Os dados do barómetro da ENSP, recolhidos durante o mês de março, revelam que 1,7% dos jovens entre os 16-25 anos não quer tomar a vacina e 12,39% “ainda não sabe”. Já entre os 25-45, 11% diz que não quer e 14% “ainda não decidiu”.

“Já temos uma percentagem de 25% entre o “não tomar” e o “ainda não decidi”. Um em cada quatro, algo que sugere alguma preocupação embora não seja um valor suficientemente grave para pôr em causa a execução do plano de vacinação”, explicou a responsável.

 

Recomendadas

Meses de Verão vão “mitigar os prejuízos” dos sector das viagens, mas recuperação vai demorar, alertam agências de viagens

Segundo o vice-presidente da ssociação de Sócios Gerentes das Agências de Viagens e Turismo “o Algarve continuará a ser a região de eleição e os turistas britânicos vão ter muito peso no aumento do turismo no país”.

Laboratório francês Sanofi pode ter vacina contra a Covid-19 até ao final do ano

O laboratório francês Sanofi anunciou, esta segunda-feira, que a sua vacina está a ter bons resultados nos ensaios clínicos e o seu presidente disse mesmo que este novo medicamento pode começar a ser produzido até ao final do ano.

INSA avança com seis estudos de efetividade das vacinas contra a Covid-19

A efetividade das vacinas contra a covid-19 em Portugal está a ser monitorizada através de seis estudos coordenados pelo Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, anunciou, esta segunda-feira, o presidente do INSA, Fernando de Almeida.
Comentários