PremiumVai haver consolidação de sociedades de advogados?

É (muito) pouco provável que as sociedades de advogados em Portugal anunciem fusões de relevo. O mercado de advocacia nacional deverá, no entanto, assistir a “absorções” de pequenos ou médios escritórios por parte dos grandes, tal como aconteceu em 2019.

É (muito) pouco provável que as sociedades de advogados em Portugal anunciem fusões de relevo, segundo a grande maioria dos advogados contactados recentemente pelo Jornal Económico. No próximo ano, o mercado de advocacia nacional deverá, no entanto, assistir a “absorções” de pequenos ou médios escritórios por parte dos grandes, à semelhança do que foi acontecendo ao longo deste ano. Além dessas pequenas e médias integrações – que não chegam para dar ao mercado a característica de consolidado – haverá mais ’trocas de casa’, quer entre escritórios nacionais quer ibéricos ou estrangeiros. Isto porque as firmas presentes no país, apesar de tradicionalmente se revelarem mais modestas a movimentações face aos seus pares europeus, denotam agora maior “maturidade” e veem com maior “naturalidade” a mobilidade profissional (advogados e advogadas que seguem para os ditos concorrentes]. Este fenómeno foi notório em 2019 e a PLMJ protagonizou as transferências do ano, sobretudo com a saída dos sócios João Medeiros e Pedro Melo, por exemplo. Diversos nomes da praça garantem mesmo que não se recordam de um ano tão ativo neste sentido, o que indicia que esse movimento continuará.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumSegredos de negócio estão mais protegidos na lei

Consultor da CCA diz que a tecnologia dificultou a segurança das informações nas empresas, mas é possível implementar um plano “cauteloso e pensado”. E considera que as coimas “são uma das grandes inovações” da transposição da diretiva.

Luanda Leaks: Jorge Brito Pereira sai da Uría e suspende advocacia

Na sequência da sua saída da Uría, Jorge Brito Pereira diz que “como consequência imediata e necessária desta decisão, cessarei também o patrocínio jurídico à engenheira Isabel dos Santos e às sociedades que lhe estão associadas”.

Martim Menezes é novo sócio da Abreu

Advogado saiu da CCA para reforçar Contencioso e Comercial do escritório liderado por Duarte d’Athayde.
Comentários