Vai mudar de comercializador de energia? Saiba como poupar 100 euros por ano

Plataforma ‘Poupa Energia’ permite comparar ofertas de um total de 24 comercializadores com 266 tarifários de eletricidade, gás natural ou serviço combinado.

Os consumidores de gás natural e eletricidade que mudarem de comercializador de energia, através do portal Poupa Energia, podem conseguir uma poupança anual de 186 mil euros, segundo uma estimativa deste portal, enviada à redação esta quarta-feira. Contas feitas, e cada pedido de alteração traduz-se numa poupança anual de cerca de 100 euros por consumidor.

Segundo dados deste portal, lançado pelo Governo em 2017, registaram-se 1.859 pedidos de mudança de tarifário nos primeiros nove meses de 2018. Os consumidores que mudaram de tarifário ou comercializador de energia, em 2018, através do ‘Poupa Energia’, conseguiram uma poupança média de 100 euros, por ano, nas suas faturas de luz ou eletricidade. Um dado extraido dos 336 pedidos de mudança de comercializador registados no terceiro trimestre, que traduzem uma poupança estimada anual de cerca de 33 mil euros por ano.

No comunicado enviado ao Jornal Económico, o ‘Poupa Energia’, que é gerido pela A ADENE – Agência para a Energia, recebeu um total de 170 mil visitas, até setembro. Além dos quase dois mil pedidos de alteração, foram feitas 168 mil simulações. A cidade de Lisboa continua a ser a região com maior dinâmica, com um volume de 36% do total das visitas.

Mais, o ‘Poupa Energia’ revelou que o que os consumidores que visitam este portal procuram, em primeiro lugar, são ofertas de tarifários dual (eletricidade e gás natural). Depois, procuram as ofertas de eletricidade e, por último, tarifários de gás natural.

Os consumidores que visitam o portal procuram, em primeiro lugar, ofertas de tarifários dual, eletricidade e gás natural, em segundo lugar tarifários de eletricidade e, por último, ofertas de gás natural.

Atualmente, a plataforma permite comparar ofertas de um total de 24 comercializadores com 266 tarifários de eletricidade, gás natural ou serviço combinado, tendo representado a Galp Power, a Goldenergy e a Iberdrola, 92% das adesões efetuadas neste trimestre. Importante referir que nesta fase, são 5 os comercializadores que disponibilizam tarifários de eletricidade com origem 100% renovável.

 

Ler mais
Relacionadas

Deco: mais de 38 mil consumidores discordam da recusa do Governo em não baixar IVA da energia

Milhares de portugueses já assinaram a carta aberta que a Deco vai enviar aos partidos políticos, exigindo a reposição da taxa de 6% de IVA na energia doméstica. Associação defende que “é a única forma de fazer baixar a fatura de forma imediata, direta e expressiva”.

Bruxelas ensina a poupar 20% na energia em seis simples passos

Utilizar menos energia não só poupa dinheiro como contribui para um ambiente melhor ajuda as famílias a ficarem mais confortáveis. As dicas da Comissão Europeia poderão ajudar as casas a manterem-se quentes no inverno e frescas no verão (e a gastar menos).

O sistema mais inovador de eficiência energética do país

Depois da Expo 98 comemorar duas décadas, o Parque das Nações continua a ser um exemplo com a introdução em Portugal do conceito de distribuição centralizada de frio e calor, à escala de uma cidade, tendo conseguido cortar em 40% as emissões de CO2.
Recomendadas

Os cinco problemas da economia angolana aos olhos do FMI

O Fundo Monetário Internacional aprovou a segunda tranche de financiamento para Angola no valor de 248,15 milhões de dólares, mas identificou cinco desafios que as autoridades angolanas devem fazer de tudo para ultrapassar, entre os quais a diversificação económica.

Governo estima atribuir 156 mil novas pensões este ano

Os dados foram avançados por Mário Centeno na Comissão do Trabalho e da Segurança Social, em resposta a críticas dos deputados sobre atrasos na atribuição de pensões.

“Sem fundo de garantia de depósitos comum, união bancária é insuficiente”, afirma economista-chefe do FMI

Gita Ginopath, economista-chefe do Fundo Monetário Internacional, disse que o “próximo passo” para o reforço da união bancária passa pela construção do fundo de garantia de depósitos comum, elemento fundamental para o futuro da União Económica e Monetária. E, para a união dos mercados de capitais, defendeu a construção de “instituição central para instituições não financeiras”.
Comentários