Valor dos fundos de investimento em Portugal aumenta 600 milhões no segundo trimestre

A subida assentou sobretudo numa valorização dos ativos. Particulares continuam a ser a maior fatia dos detentores destes títulos.

Portugal verificou um aumento do valor líquido global das unidades de participação em circulação dos fundos de investimento no segundo trimestre de 2020, reporta o Banco de Portugal. Este indicador ficou 600 milhões de euros acima do registado no primeiro trimestre do ano.

Esta é a maior do parâmetro em questão desde o primeiro trimestre de 2019 e foi conseguida sobretudo graças à valorização dos ativos. Decompondo em rubricas, verifica-se que o maior crescimento se registou nos títulos de capital, com o aumento da posição em unidades de participação e ações e outras participações em 400 milhões de euros e 200 milhões de euros, respetivamente, além do aumento de 300 milhões em títulos de dívida. Já os depósitos recuaram 200 milhões.

O setor mais investidor em fundos em Portugal continua a ser o dos particulares, que contabilizam 47% do total das unidades de participação em circulação. Esta posição foi reforçada com um aumento de 600 milhões no segundo trimestre de 2020. As percentagens de unidades de participação em circulação detidas por instituições financeiras monetárias e sociedades de seguros e fundos de pensões mantiveram-se estáveis relativamente ao primeiro trimestre do ano.

Recomendadas

Centeno pediu para ser recebido por Marcelo com o tema Novo Banco na agenda

A situação do Novo Banco preocupa o Banco de Portugal, que é a autoridade de resolução em Portugal, e a entidade responsável pelo Fundo de Resolução. Marcelo recebeu ontem o Governador do Banco de Portugal a pedido de Centeno.

Abanca formaliza compra do Bankoa em Espanha. Volume de negócios cresce mais de quatro mil milhões de euros

O Abanca aumenta assim o volume de negócios que cresce mais de quatro mil milhões de euros para 93 mil milhões de euros e passa a ser a sexta instituição de crédito no mercado espanhol em termos de ativos.

Cerberus oferece 1 euro para comprar subsidiária francesa do HSBC

A Cerberus e outro investidor estão interessados no HSBC França mas querem que a casa-mãe capitalize em mais de 500 milhões de euros a subsidiária francesa.
Comentários