Valor sob gestão dos fundos de investimento mobiliário sobe 2,8% em maio

A Sonae SGPS foi o título com maior peso nas carteiras dos fundos, representando 10,2% do total investido, com um crescimento mensal de 5,3%. Seguiram-se a EDP Renováveis, cujo valor nas carteiras dos fundos subiu 2,5%, e a Jerónimo Martins, cujo valor aumentou 4,8% face a abril.

Em maio de 2021, o valor sob gestão dos organismos de investimento coletivo em valores mobiliários (OICVM) totalizou 16.435,2 milhões de euros, mais 446,8 milhões (2,8%) do que em abril, revela esta terça-feira a CMVM. Já nos fundos de investimento alternativo (FIA), o valor mensal sob gestão cresceu 0,3% para 305,7 milhões de euros.

A Comissão de Mercado de Valores Mobiliário diz ainda que o valor das aplicações dos fundos de investimento em ações subiu 5,7% nas de emitentes nacionais e 3,6% nas de emitentes estrangeiros, em comparação com o mês anterior.

No que respeita à dívida pública, o valor das aplicações recuou 30,7% na nacional e aumentou 7,1% na estrangeira. O valor aplicado em obrigações cresceu 0,8% nas de emitentes nacionais e 3,6% nas de emitentes estrangeiros.

As sociedades gestoras com as maiores quotas de mercado foram a Caixa Gestão de Ativos (33,4%), a IM Gestão de Ativos (21,6%) e a BPI Gestão de Ativos (18,1%).

A Sonae SGPS foi o título com maior peso nas carteiras dos fundos, representando 10,2% do total investido, com um crescimento mensal de 5,3%. Seguiram-se a EDP Renováveis, cujo valor nas carteiras dos fundos subiu 2,5%, e a Jerónimo Martins, cujo valor aumentou 4,8% face a abril.

No que respeita ao investimento em títulos da União Europeia, os mais representativos nas carteiras dos fundos de investimento foram a LVMH, a Siemens e a Inditex. Fora da União Europeia destacaram-se a Alphabet, a Exxon Mobil e a Microsoft.

A Alemanha foi o principal destino de investimento dos fundos de investimento mobiliário em maio, ao absorver 15,7% do total das aplicações dos fundos, seguida dos Estados Unidos (15,6%) e de França (12,0%). Portugal absorveu 4,4% do investimento.

“Em maio foram constituídos o fundo de poupança reforma harmonizado ‘BIZ Europa PPR/OICVM’, gerido pela BIZ Capital, e o fundo de investimento alternativo flexível ‘BISON China Flexible Bond Fund’, gerido pela LYXN Asset Managers. Foi também liquidado o fundo de ações ‘Fundo de Investimento Mobiliário Aberto Poupança Ações Santander PPA’, gerido pela Santander Asset Management”, diz a CMVM em comunicado.

O mês passado houve ainda a fusão por incorporação de dois fundos geridos pela Santander Asset Management: do fundo de obrigações ‘Popular Obrigações Curto Prazo – Fundo de Investimento Mobiliário Aberto de Obrigações’ no fundo de obrigações ‘Fundo de Investimento Mobiliário Aberto de Obrigações Santander Obrigações Curto Prazo’; e do fundo de ações ‘Popular Acções – Fundo de Investimento Mobiliário Aberto de Ações’ no fundo de ações ‘Fundo de investimento Mobiliário Aberto de Ações Santander Ações Europa’, detalha a comissão.

Recomendadas

Dow Jones rompe barreira dos 35 mil pontos em dia de ganhos em Wall Street

Depois das quedas de segunda-feira, os mercados norte-americanos fecharam mais uma semana no verde, conseguindo o quarto dia seguido de ganhos e alcançando novos máximos históricos.

Carregosa defende que atual fase do ciclo económico “deverá continuar a suportar o mercado de dívida”

“Relativamente ao nosso posicionamento, e uma vez que deveremos continuar a ter estabilidade nos spreads de crédito, vemos boas oportunidades em obrigações de High Yield, convertíveis, híbridas, verdes e fallen angles. Contudo, preferimos maturidades até aos 5 anos”, diz a análise do Banco Carregosa.

Terceiro trimestre pode ver “correção de mercado entre 5% a 10%”, aponta Banco Carregosa

A análise trimestral do Banco Carregosa coloca os mercados em linha para um correção que é vista com “bons olhos”, dado o baixo impacto dos “excelentes” resultados recentes na performance dos ativos.
Comentários