Vasco Cordeiro diz que o PS teve “vitória clara e inequívoca” nos Açores

Líder do PS-Açores, que procura o terceiro mandato enquanto presidente do governo regional, defendeu que as eleições deste domingo “não foram um plebiscito ao governo regional”. E recusou-se a comentar paralelismos com o que aconteceu em 2015, quando a coligação liderada por Passos Coelho foi a mais votada, mas o seu governo acabou por ser derrubado na Assembleia da República.

Vasco Cordeiro com Carlos César

O líder do PS-Açores, Vasco Cordeiro, que se apresentou às eleições regionais dos Açores com o objetivo de cumprir um terceiro mandato enquanto presidente do governo regional, afastou o cenário de a perda da maioria absoluta, que os socialistas mantinham desde 2000, implicar alternância no poder. “O PS ganhou esta eleição com mais votos e com mais mandatos, ficou à frente em sete das nove ilhas da região, de forma clara e inequívoca”, afirmou, realçando que existe o precedente de 1996, quando Carlos César liderou o governo regional apesar de PSD e CDS terem mais mandatos na assembleia legislativa regional.

“Somos e continuamos a ser uma referencial de estabilidade, de segurança e de fazer cumprir a vontade dos açorianos”, disse Vasco Cordeiro, garantindo “toda a disponibilidade para construir uma solução de governo que dê segurança, em diálogo e em concertação, para que no final deste processo sejam os açorianos que ganham”. Afastada deixou a hipótese, admitida pelo líder regional social-democrata José Manuel Bolieiro, de a assembleia legislativa regional dos Açores, na qual a direita pode atingir a maioria absoluta, encontrar uma alternativa.

Ainda segundo Vasco Cordeiro, que teve a seu lado o antecessor (e atual presidente nacional do PS) Carlos César, as eleições deste domingo “não foram um plebiscito ao governo regional” e sim a “escolha entre vários projetos para a região colocados em cima da mesa”, tendo sido o do PS aquele que recolheu mais votos, com 39,1% do total e 25 mandatos, à frente do PSD, que teve 33,7% dos votos e 21 deputados.

Confrontado com perguntas de jornalistas sobre as suas declarações durante a campanha eleitoral, apontando a possível perda de maioria absoluta do PS como sendo conducente a uma crise política, Vasco Cordeiro negou que a região autónoma se tenha tornado ingovernável. “É um cenário mais exigente, mas corresponde à vontade dos açorianos”, disse, garantindo que tudo fará “para garantir que os Açores têm todas as condições para ultrapassar a tormenta da Covid-19”.

Sem querer comentar os paralelismos entre a situação decorrente das eleições regionais deste domingo e a situação que Portugal viveu em 2015, quando a coligação de centro-direita Portugal à Frente foi a mais votada, mas ficou aquém da maioria absoluta, pelo que o segundo governo de Pedro Passos Coelho acabou derrubado na Assembleia da República, Vasco Cordeiro também se esquivou a comentar o facto de António Costa ter sido o único líder dos principais partidos nacionais a não participar na campanha eleitoral açoriana. “É uma vitória de todos os socialistas portugueses”, disse o líder do partido mais votado.

Relacionadas
José Manuel Bolieiro

José Manuel Bolieiro disponível para ser presidente do governo regional dos Açores

Líder regional do PSD sublinhou que resultados eleitorais de uma “noite histórica” abrem um novo quadro em que a “determinação unilateral de qualquer partido” deixa de ser suficiente para definir uma solução governativa para os Açores.
António Costa reage eleições Açores

António Costa diz que Vasco Cordeiro “saberá cumprir o mandato que lhe foi dado pelos açorianos”

Primeiro-ministro reage a resultados eleitorais nos Açores com elogios à sétima vitória consecutiva e apelando a que Vasco Cordeiro se mantenha à frente do governo da região autónoma.
Vasco Cordeiro

Eleições regionais dos Açores: PS perde a maioria absoluta e direita ganha força

Perda de três mandatos na ilha de São Miguel foi decisiva para a queda do PS, que ainda assim foi o partido mais votado. PSD ganhou dois deputados, CDS perdeu um, e o Chega estreou-se na assembleia legislativa regional com dois eleitos. Bloco de Esquerda manteve resultado, PPM passou a ter grupo parlamentar, PAN e Iniciativa Liberal elegeram e a CDU deixou de ter representação parlamentar.
Recomendadas

Topo da agenda: o que vai marcar a atualidade esta quinta-feira

Esta quinta-feira, o Eurostat divulga os números das vendas a retalho na zona euro durante o mês de outubro, e será também o segundo de três dias da cimeira tecnológica Web Summit.

AHRESP afirma que Governo “comprometeu-se a anunciar medidas” em função das propostas efetuadas

Do lado do Governo, a associação sublinha que o ministro da Economia “comprometeu-se a anunciar publicamente muito em breve, com a presença dos parceiros sociais, as medidas que o governo vier a decidir em função das propostas apresentadas pelas associações presentes nesta reunião”.

DBRS aponta para quebra do PIB nacional entre 7,5% e 8,5% em 2020

Segundo o documento, no cenário moderado, a quebra do PIB em 2020 será de 7,5%, seguida de uma recuperação de 5,0% em 2021 e um crescimento subsequente de 3,0% em 2022.
Comentários