Veículo elétrico pode levar a perdas de emprego, admite vice-presidente europeu da PSA

“Mais importante do que reduzir o preço dos carros elétricos, é reduzir o preço das baterias”, disse ainda Maxime Picat em entrevista ao jornal espanhol “Cinco Dias”.

Os carro elétricos “têm um impacto potencial” que pode levar a perdas de emprego no setor. Esta é a opinião de Maxime Picat, vice-presidente do grupo PSA na Europa (Peugeot, Opel e Citroen), numa entrevista publicada esta segunda-feira, no jornal espanhol “Cinco Dias”.

A opinião do responsável deve-se ao facto da construção do veículo elétrico envolver menos trabalhadores do que um carro movido a combustível. “Sabemos que temos que adaptar as nossas fábricas, mas sim, o veículo elétrico não é tão intensivo em termos de mão de obra. Teremos que nos adaptar”, refere.

Questionado sobre se as medidas exigidas pela Comissão Europeia sobre as emissões de gases, vão encarecer o preço do veículo elétrico, Maxime Picat, afirma que “a procura pela eletrificação e junção de tantas tecnologias ao automóvel, tem custo extra que depois alguém terá que pagar. Vamos tentar torná-lo o mais baixo possível, para permitir que a mobilidade permaneça disponível para todos”.

Sobre se existe algum prazo para os carros elétricos ficarem mais baratos, o responsável da PSA, assume que “é mais importante reduzir o preço das baterias. Entendemos que no início não é possível, mas quando o mercado atingir a maturidade, com vários concorrentes e mais tecnologia, uma redução no preço das baterias será promovido. Diria que a partir de 2020 será quando começamos a ter volumes de produção mais significativos”.

Recomendadas

FinTech: das finanças pessoais à análise de risco

Produtos digitais cobrem a indústria financeira. A inteligência artifical tanto apoia no ‘backoffice’ como recomenda estratégias de investimento.

Ex-presidente da Nissan pode vir a ser detido mais uma vez esta segunda-feira

A detenção deve acontecer na próxima segunda-feira, altura em que o atual período de detenção por suspeita de ter desviado cinco milhões de dólares (cerca de 4,4 milhões de euros) termina.

FinTech provocaram a disrupção da cadeia de valor da banca

Parece consensual entre ‘experts’ que o futuro dos bancos passa por entrarem nas ‘apps’ do telemóvel e que as FinTech vão ser os seus parceiros da inovação tecnológica.
Comentários