Venda da Novabase IMS à Vinci revista para 44 milhões

Novabase anunciou a conclusão da operação de venda da sua unidade de negócio “Infrastructures & Managed Services”, à Vinci Energies Portugal.

A Novabase comunicou hoje ao mercado que conclui a  venda do negócio de Infrastructures & Managed Services à Vinci Energies Portugal por 44,04 milhões de euros, mais cerca de seis milhões do que o inicialmente previsto.  A celebração do contrato, revelada a 13 de outubro, previa um valor de 38,365 milhões na operação.

“Na sequência da comunicação ao mercado no passado dia 13 de outubro, relativa à celebração de um contrato de venda do negócio de Infrastructures & Managed Services à Vinci Energies Portugal SGPS, a Novabase vem informar que se concluiu na presente data, a referida operação”, diz a tecnológica.

“O preço final estimado de 44.037.242 euros(quarenta e quatro milhões, trinta e sete mil e duzentos e quarenta e dois euros), pago nesta data, fica ainda sujeito a deduções, decorrentes do apuramento final do working capital e do net debt, conforme é típico neste tipo de transações e nos termos definidos no Contrato.

Os impactos contabilísticos desta venda nas contas da Novabase serão oportunamente calculados e divulgados ao mercado.

A Novabase é líder nacional em Tecnologias de Informação, estando cotada na Euronext Lisbon desde 2000. Em 2015 alcançou um volume de negócios de 231,6 milhões de euros, cerca de 45% obtidos fora de Portugal. Tem escritórios em Portugal, Espanha, Reino Unido, Turquia, Emirados Árabes Unidos, Angola e Moçambique.

A Vinci Energies centra-se na conectividade, tratamento de dados, desempenho e eficiência energética de modo a acelerar a introdução de novas tecnologias que suportem as duas maiores mudanças: a transição energética e a transformação digital.

Ler mais
Recomendadas

Navigator nomeia dois novos administradores executivos

João Paulo Cabete Lé e Adriano Agusto Silveira são os novos administradores executivos no mandato do quadriénio em curso, com efeitos a 1 de Janeiro de 2020.

Jorge Calvete é o administrador judicial da Orey Antunes que pediu um PER

O prazo para a reclamação de créditos, começa a correr a partir da data da publicação do anúncio no Portal Citius, ou seja, 10 de dezembro de 2019. Os prazos são contínuos, não se suspendendo durante as férias judiciais.

Bankinter e COSEC assinam protocolo de distribuição de seguro de créditos

O objetivo é permitir às empresas a gestão do risco de crédito em condições mais seguras, cobrindo os prejuízos decorrentes do não pagamento das vendas a crédito de bens e serviços em Portugal e no estrangeiro.
Comentários