Venda da TVI: o negócio que envolveu Anacom, ERC, Impresa, Altice e que nunca chegou a acontecer

Paulo Fernandes, o dono da Cofina, decidiu entrar em negociações exclusivas para a compra da TVI à espanhola Prisa. Saiba o que levou a Impresa a insurgir-se em 2017 e a apelidar esta potencial transação como um “negócio muito prejudicial para o setor e para a democracia”.

Vincent West / Reuters;

É desta que avança o negócio para a venda da TVI?

De acordo com o jornal “Expresso” Paulo Fernandes, dono da Cofina, grupo que inclui meios de comunicação como o Correio da Manhã, Record, Sábado e Jornal de Negócios, assinou um memorando há cerca de três semanas, que lhe garantiu exclusividade nas negociações com a espanhola Prisa, empresa detentora da estação televisiva.

Que outros grupos estiveram interessados na compra da TVI?

A Altice  foi o outro grande grupo que mostrou interesse na compra da TVI. A Altice anunciou a 14 de julho, de 2017 que tinha chegado a acordo com a espanhola Prisa para a compra da Media Capital, dona da TVI, entre outros meios, numa operação avaliada em 440 milhões de euros. A operação envolvia ainda uma OPA da Meo à Media Capital.

O que disse o regulador, na altura, sobre o possível negócio?

A 18 de setembro de 2017, a Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom) considerou, num parecer enviado à Autoridades da concorrência, que a compra da Media Capital (dona da TVI) pela Altice (dona da PT/Meo) não deveria ter lugar “nos termos em que foi proposta, por ser suscetível de criar entraves significativos à concorrência efetiva” em vários mercados. Note-se que este parecer da Anacom não era considerado vinculativo.

Porque se opôs a Impresa a este negócio?

O presidente executivo da Impresa, Francisco Pedro Balsemão referia em 2017 que o grupo teria de reagir se a Altice comprasse a TVI, defendendo que era fundamental a compra não fosse efetuada já que este seria um “negócio muito prejudicial para o setor e para a democracia”.

Qual a posição da Entidade Reguladora da Comunicação?

Carlos Magno, presidente da ERC, afirmou durante o mês de setembro de 2017, que os media precisam de “um pacto” para salvar o setor e a democracia e que é preciso “reforçar o papel do regulador dos media”, sendo este um setor que “não está para treinadores de bancada”.

Ler mais
Relacionadas

Prisa vai vender TVI à Cofina

O CEO da Cofina assinou memorando com a Prisa para garantir negociações exclusivas para a compra da TVI. De acordo com o Expresso, tudo indica que não há ainda uma proposta formal com valores concretos.
Recomendadas

Transtejo lança concurso de 57ME para aquisição de dez navios elétricos

A Transtejo vai lançar, na terça-feira, o concurso para a aquisição de dez navios de propulsão elétrica para as ligações fluviais entre a Margem Sul e Lisboa, num investimento de 57 milhões de euros, anunciou hoje a empresa.

‘Número 3’ do grupo El Corte Inglés demite-se por desavenças com a presidente

No centro dos desentendimentos entre o demissionário, Jesús Nuño de la Rosa, e a presidente executiva, Marta Álvarez, está o incumprimento do El Corte Inglés não ter cumprido os planos estratégicos delienados em 2018, como a reestruturação e a profissionalização do grupo espanhol.

STEF cresceu 12,2% em Portugal no quarto trimestre de 2019

No conjunto do exercício de 2019, o grupo de transporte e logística alcançou uma faturação de 3.441 milhões de euros, o que traduziu um crescimento de 5,7% (3,9% a perímetro constante).
Comentários