Venda da TVI: o negócio que envolveu Anacom, ERC, Impresa, Altice e que nunca chegou a acontecer

Paulo Fernandes, o dono da Cofina, decidiu entrar em negociações exclusivas para a compra da TVI à espanhola Prisa. Saiba o que levou a Impresa a insurgir-se em 2017 e a apelidar esta potencial transação como um “negócio muito prejudicial para o setor e para a democracia”.

Vincent West / Reuters;

É desta que avança o negócio para a venda da TVI?

De acordo com o jornal “Expresso” Paulo Fernandes, dono da Cofina, grupo que inclui meios de comunicação como o Correio da Manhã, Record, Sábado e Jornal de Negócios, assinou um memorando há cerca de três semanas, que lhe garantiu exclusividade nas negociações com a espanhola Prisa, empresa detentora da estação televisiva.

Que outros grupos estiveram interessados na compra da TVI?

A Altice  foi o outro grande grupo que mostrou interesse na compra da TVI. A Altice anunciou a 14 de julho, de 2017 que tinha chegado a acordo com a espanhola Prisa para a compra da Media Capital, dona da TVI, entre outros meios, numa operação avaliada em 440 milhões de euros. A operação envolvia ainda uma OPA da Meo à Media Capital.

O que disse o regulador, na altura, sobre o possível negócio?

A 18 de setembro de 2017, a Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom) considerou, num parecer enviado à Autoridades da concorrência, que a compra da Media Capital (dona da TVI) pela Altice (dona da PT/Meo) não deveria ter lugar “nos termos em que foi proposta, por ser suscetível de criar entraves significativos à concorrência efetiva” em vários mercados. Note-se que este parecer da Anacom não era considerado vinculativo.

Porque se opôs a Impresa a este negócio?

O presidente executivo da Impresa, Francisco Pedro Balsemão referia em 2017 que o grupo teria de reagir se a Altice comprasse a TVI, defendendo que era fundamental a compra não fosse efetuada já que este seria um “negócio muito prejudicial para o setor e para a democracia”.

Qual a posição da Entidade Reguladora da Comunicação?

Carlos Magno, presidente da ERC, afirmou durante o mês de setembro de 2017, que os media precisam de “um pacto” para salvar o setor e a democracia e que é preciso “reforçar o papel do regulador dos media”, sendo este um setor que “não está para treinadores de bancada”.

Ler mais
Relacionadas

Prisa vai vender TVI à Cofina

O CEO da Cofina assinou memorando com a Prisa para garantir negociações exclusivas para a compra da TVI. De acordo com o Expresso, tudo indica que não há ainda uma proposta formal com valores concretos.
Recomendadas

IMT proíbe circulação de veículos ferroviários sem controlo de velocidade (Convel)

No início desta semana, administração da IP revelou que tem uma solução credível, proposta pela Critical Software. Órgão regulador do setor dos transportes “requereu uma avaliação urgente da viabilidade da solução e, caso viável, a consequente implementação igualmente urgente”.

NBA lança-se no mundo das apostas com o serviço NBABet Stream

Com a legalização das apostas desportivas nos EUA em 2018, a NBA torna-se a primeira grande liga desportiva dos EUA a atacar o mercado.

Siza Vieira sobre a possibilidade de adeptos nos estádios: “É mais importante que os jogos se realizem em segurança”

“É mais importante garantirmos a segurança de que as atividades se realizem sem percalços e com limitações do que permitir flexibilidade e depois ter de voltar atrás”, realçou o ministro à margem da conferência sobre o ‘Futebol Profissional e Economia Pós Covid-19’ que decorreu em Oeiras.
Comentários