Venda de automóveis em Portugal cai 38,4% até setembro

A Associação Europeia dos Construtores de Automóveis prevê uma queda do mercado entre os 20% e 25%, a nível europeu, sendo que as perdas do mercado português continuam a estar acima da média europeia.

Nos primeiros nove meses deste ano, foram colocados em circulação 127.168 automóveis ligeiros de passageiros novos, o que correspondeu a uma quebra de 38,4% em termos homólogos, de acordo com os dados divulgados esta quinta-feira pela Associação Automóvel de Portugal (ACAP).

No mês passado, segundo os dados recolhidos pela ACAP, o mercado automóvel português apresentou a segunda maior queda percentual da União Europeia. A Associação Europeia dos Construtores de Automóveis prevê uma queda do mercado entre os 20% e 25%, a nível europeu, sendo que as perdas no mercado português continuam a estar acima da média europeia.

Só no mês passado registaram-se 13.186 novas unidades ligeiras, menos 9,4% do que no mesmo período de 2019. mensal. “Nos nove meses do ano as matrículas de veículos ligeiros de passageiros totalizaram 105.660 unidades, o que se traduziu numa variação negativa de 39,3 por cento relativamente a período homólogo de 2019”, indica a ACAP em comunicado.

Por sua vez, o mercado de ligeiros de mercadorias verificou uma evolução desfavorável no mês de setembro, tendo apresentado uma queda de 7,2% face ao mês homólogo, tendo sido matriculadas 2.516 unidades. Em termos acumulados, isso significa que o mercado atingiu 18.627 unidades matriculadas, ou seja, uma queda de 33,8% face ao mesmo período de 2019.

Quanto ao mercado de veículos pesados, em setembro observou-se uma queda de 8,6%, superior à de agosto, quando apresentou uma quebra de 7,2%, tendo sido comercializados 702 veículos desta categoria. De janeiro a setembro, as matrículas totalizaram 2.881 unidades, o que representou uma queda do mercado de 34,1% face ao período homólogo de 2019.

Recomendadas

Alphabet com lucros de 11,25 mil milhões de dólares num terceiro trimestre em que receitas voltaram a crescer

Vindos do primeiro trimestre com uma diminuição de receitas na história da companhia, a empresa-mãe da Google volta agora em força, em parte empurrada pelas verbas associadas à publicidade.

Facebook aumenta lucro no terceiro trimestre impulsionado pela publicidade

A rede social também revela que conseguiu diminuir para metade as despesas relacionadas com “geral e administração”, em grande parte devido ao encerramento de escritórios um pouco por todo o mundo, acompanhando a tendência do teletrabalho.

Amazon com lucros 6,3 mil milhões de dólares, acima das previsões dos analistas

A empresa do homem mais rico do mundo conseguiu lucros e receitas acima das projeções dos analistas, sendo que, para o último trimestre do ano, a empresa antecipa resultados ainda mais fortes, naquela que é uma das maiores ganhadoras na pandemia.
Comentários