Venda de habitação cresce 0,1% na Madeira

No primeiro trimestre atingiu-se vendas de 133 milhões de euros, o valor mais elevado desde o primeiro trimestre de 2009, diz a Direção Regional de Estatística.

A venda de alojamento familiar cresceu 0,1%, na Madeira, no primeiro trimestre, quando comparado com o trimestre anterior, e subiu 6,8% face ao período homólogo. Durante este período foram transacionados 853 habitações, o valor mais elevado desde 2019, de acordo com os dados da Direção Regional de Estatística (DREM).

Dos 853 alojamentos vendidos no primeiro trimestre, 634 foram alojamentos existido e 219 eram novos. As vendas de alojamento já existentes caiu 10,3% e enquanto que a transação de habitação nova subiu 51%, em comparação com o trimestre anterior. Já no período homólogo a venda de alojamentos existentes subiu 2,6% e a de nova habitação 21%.

Em termos de valor atingiu-se os 133 milhões de euros, mais 14% face ao período anterior, e 29% em comparação com o ano anterior, o que constitui o valor mais elevado desde o primeiro trimestre de 2009, refere a DREM.

Recomendadas

Madeira mantém aulas presenciais em vários níveis porque contaminação é “residual”

Em 11 de janeiro, o executivo madeirense, de coligação PSD/CDS-PP, decidiu suspender as aulas presenciais no 3.º ciclo e no ensino secundário em todas as escolas da região autónoma até pelo menos 31 de janeiro, mantendo em funcionamento normal os restantes níveis. “Até à data, foram tomadas medidas profiláticas, neste universo de 27 mil, relativamente a 995 pessoas, o que significa 3,5%”, disse Miguel Albuquerque, sublinhando que os números demonstram que a escola continua a ser o “local mais seguro” para os jovens permanecerem.

Madeira: sindicato acusa Governo de deturpar a realidade sobre carreira dos vigilantes da natureza

O sindicato afirma que “dizer que um vigilante da natureza ganha, no topo da carreira, o mesmo que um professor universitário recém doutorado é só desonestidade intelectual e revelador do sectarismo existente contra a carreira destes trabalhadores”, e acusa o Governo Regional de não querer valorizar a carreira dos vigilantes da natureza.

EISAP diz que registo de navios não tem sido afetado pela indefinição sobre Zona Franca

O secretário-geral da EISAP diz que face ao processo em curso com vista à revisão do Estatuto dos Benefícios Fiscais (com impacto no CINM), “nenhuma nova empresa pode ser registada na Zona Franca da Madeira até que aquela seja aprovada pelo Parlamento Nacional, mas o Registo Internacional de Navios (MAR) não é afectado por isso, uma vez que os armadores podem continuar a registar os seus navios sem terem de registar as suas empresas na Zona Franca”.
Comentários