Vendas da Jerónimo Martins cresceram 7,5% em 2019, para 18,6 mil milhões

A Biedronka, cadeia retalhista gerida pelo grupo na Polónia, valeu 67,7% das vendas líquidas preliminares da Jerónimo Martins no ano passado, um total de 12.621 milhões de euros, mais 7,9% que no ano precedente.

As vendas líquidas da Jerónimo Martins no exercício de 2019 ascenderam a 18,638 mil milhões de euros, o que representou um crescimento de 7,5%, mais cerca de 1,3 mil milhões de euros face aos dados apurados no ano precedente.

Segundo o comunicado relativo às vendas preliminares do grupo retalhista nacional no ano passado, as vendas consolidadas cresceram 8,4% em 2019, com taxas de câmbio constantes.

A Biedronka, cadeia retalhista que o grupo gere na Polónia subiu ligeiramente o seu peso dentro do portefólio de insígnias do grupo, passando de uma contribuição de 67,4% – 11.691 milhões de euros na Biedronka para um total de 17.337 milhões de vendas líquidas consolidadas da Jerónimo Martins – para 67,7% no ano passado – 12.621 milhões de euros de vendas líquida na Biedronka por comparação com um total consolidado de 18.638 milhões de euros do grupo.

De acordo com o referido comunicado, o desempenho da Biedronka é ainda mais assinalável tendo em conta que, em moeda local, cresceram 8,8%, mais 10,3% no quarto trimestre, com um ‘like for like’ (LFL ou base comparável de lojas) de 5,8% (mais 7,7% no quarto trimestre de 2019), apesar de terem ocorrido menos 13 dias de vendas em comparação com 2018.

“Biedronka, Pingo Doce e Recheio tiraram partido das suas vantagens competitivas e registaram desempenhos acima dos respetivos mercados, na Polónia e em Portugal. A Hebe reforçou a sua proposta de valor com o lançamento, em julho, da operação ‘online’ e teve também um bom desempenho, num ano com menos 13 dias de vendas do que o anterior”, destaca o comunicado da Jerónimo Martins.

O mesmo documento acrescenta que “a Biedronka encerrou o ano passado com uma rede de 3.002 lojas, tendo inaugurado 33 lojas no formato de menor dimensão e 95 lojas no conceito tradicional (um total de 102 adições líquidas)”, sublinhando que “no ano, a companhia remodelou um total de 252 lojas.

O mesmo documento assinala que, “na Colômbia, a revisão da política de preços e da estratégia comercial da Ara resultou num forte crescimento das vendas e no reforço da posição competitiva da insígnia”.

As vendas líquidas preliminares do Pingo Doce em 2019 atingiram 3.945 milhões de euros, mais 2,9% que no exercício precedente.

A cadeia Pingo Doce “manteve a boa dinâmica comercial e registou um desempenho positivo no ano, para o qual contribuíram também a inovação na oferta e as melhorias introduzidas na experiência da compra”.

“No ano, a Pingo Doce abriu nove lojas (das quais, quatro o conceito de conveniência Pingo Doce & Go) e realizou 30 remodelações profundas e 14 de natureza mais ligeira, adua o comunicado da Jerónimo Martins

Por seu turno, o Recheio fechou ao ano passado com vendas de 1.007 milhões de euros, uma subida de 2,9% face a 2018.

“O Recheio registou um bom ano com as vendas a tingirem o marco do mil milhões de euros, 2,7% acima do ano anterior (mais 3,2% no quarto trimestre). Numa base LFL, o crescimento foi de 3,2% (2,4% no quarto trimestre), refletindo a força da proposta de valor da insígnia orientada para os seus clientes profissionais”, destaca a Jerónimo Martins.

A Ara atingiu 784 milhões de euros de vendas no ano passado, um crescimento de 30,8% em relação ao ano anterior.

“A execução bem sucedida do reforço da descentralização das operações, com grande autonomia conferida às regiões, e a eficácia da estratégia de investimento em preço levaram a uma forte aceleração das vendas LFL. Em face deste crescimento, tornou-se prioritário continuar a validar o potencial de cada loja, o que levou à revisão do calendário de aberturas da insígnia. Em 2019, a Ara abriu 85 lojas e terminou o ano com uma rede de 616 localizações. Em 2020, o ritmo da expansão regressa à ambição definida”, assumem os responsáveis da Jerónimo Martins.

Por fim, a Hebe passou de vendas de 207 para 259 milhões de euros, uma subida de 24,9% relativamente a 2018.

“Apesar dos menos 13 dias de vendas em relação a 2018, também a Hebe registou um forte desempenho e cresceu as vendas em 25,9% (mais 24,6% do quarto trimestre). Em euros, as vendas aumentaram 24,9% (mais 24,6% no quarto trimestre), para 259 milhões de euros. Aproveitando o potencial de crescimento do mercado, a Hebe manteve um desempenho consistente ao longo do ano, o que, em conjunto com o reforço da abordagem ‘omnichannel’, fortaleceu a sua posição competitiva”, destaca o comunicado da Jerónimo Martins.

O mesmo documento acrescenta que a Hebe abriu 46 novas lojas (43 adições líquidas) e terminou o ano passado com uma rede de 273 lojas: 28 farmácias e 245 drogarias (21 das quais incluem farmácia).

A administração da Jerónimo Martins, liderada por Pedro Soares dos Santos, evidencia que “a Biedronka registou um ano notável”, “a Hebe manteve um sólido crescimento das vendas”, “o Pingo Doce e o Recheio tiveram um bom ano” e “a Ara implementou com sucesso a sua estratégia”, começando a melhorar a sua margem bruta.

“Em suma, 2019 foi um muito bom ano que nos permitiu fortalecer as nossas propostas de valor nos três mercados em que operamos e beneficiar em pleno de um ambiente de consumo favorável, particularmente na Polónia e na Colômbia. O Grupo entra, assim, em 2020 com ‘momentum’ positivo e determinado a continuar a crescer”, conclui o referido comunicado do grupo português de distribuição.

 

 

 

Ler mais
Recomendadas

Continente alarga rede de produtores nacionais para assegurar abastecimento

As vendas do Continente de produtos nacionais têm aumentado progressivamente, sendo que no último ano foram adquiridas mais de 92 mil toneladas, que correspondem a frutas e legumes.

Covid-19: Donos do Intermarché vão doar meio milhão de euros a profissionais de saúde

A iniciativa do Grupo Os Mosqueteiros pretende ajudar a suprimir as necessidades dos profissionais da linha da frente no que diz respeito a equipamentos de proteção individual e material médico.

CTT lançam descontos e condições especiais para empresas e clientes particulares

Uma das medidas tomadas pelos Correios é disponibilizar portes gratuitos para todas as compras realizadas na lojas online CTT, até ao final de abril.
Comentários