Vendas do grupo BMW crescem 39,1% no primeiro semestre

Além disso, as vendas dos modelos elétricos, o BMW i, BMW i Performance e o Mini elétrico, cresceram 148,5% no primeiro semestre, para 153.267 unidades, em relação a idêntico período do ano anterior.

BMW – 23,326 milhões de dólares

As vendas do grupo BMW, que detém as marcas BMW, Mini e Rolls-Royce, aumentaram 39,1% no primeiro semestre deste ano, para 1.339.080 unidades, face a igual período do ano passado, anunciou esta quarta-feira o fabricante automóvel.

Este resultado é justificado pelo grupo empresarial automóvel, em comunicado, com a recuperação observada depois da contração resultante do encerramento temporário dos concessionários devido à pandemia.

A BMW referiu também que as vendas do grupo ultrapassaram em 7,1% o nível de 2019, suportadas no aumento das entregas de todas as marcas em todas as regiões.

A sua principal marca, a BMW, entregou 1.178.292 veículos no primeiro semestre deste ano, mais 39,9% em termos homólogos, sendo que a Mini vendeu 157.799 unidades no período em análise (+32,6%) e a Rolls-Royce Motor Cars entregou 2.989 veículos (+91,6%).

Além disso, as vendas dos modelos elétricos, o BMW i, BMW i Performance e o Mini elétrico, cresceram 148,5% no primeiro semestre, para 153.267 unidades, em relação a idêntico período do ano anterior.

O administrador de Clientes, Marcas e Vendas do grupo BMW, Pieter Nota, afirmou que o grupo está no “rumo de vir a alcançar este ano um crescimento das vendas sólido e rentável”.

O gestor destacou ainda o facto de se assistir a uma “elevada procura” em todo o mundo, lembrando que neste período em relação aos automóveis elétricos e híbridos a BMW duplicou as suas vendas.

Recomendadas

O principal desafio para o sector das pescas é tecnológico

O presidente da Associação dos Armadores de Pesca Industrial diz que a frota precisa de um salto tecnológico que a União Europeia deveria impor e apoiar quanto antes.

Desenvolvimento tecnológico vai marcar segurança privada

Na lista das 10 tendências identificadas pela associação norte-americana de segurança, e que constam do seu último relatório, todas têm uma base tecnológica e metade respeitam a esta integração entre vídeo e software, com destaque para as ferramentas de reconhecimento facial.

PremiumMário Palhares: “BNI e Finibanco Angola continuam empenhados em encontrar uma solução”

O processo de venda do Finibanco Angola a Mário Palhares do Banco BNI, acordado em 2015, acabou. Mas o CEO do banco angolano garante ao JE que o BNI e o Finibanco continuam empenhados em encontrar uma solução.
Comentários