Vendas em lojas de todo o país caem 40% na semana de reabertura

O presidente da Associação de Marcas de Retalho e Restauração, considera que as promoções não estão a ser suficientes para recuperar os consumidores. Na semana de reabertura das lojas em todo o país, já com os dados recolhidos dos lojistas de Lisboa, as perdas chegaram a 40,6% no total do país.

A Associação de Marcas de Retalho e Restauração (AMRR) apresentou, esta segunda-feira, o resultado das vendas semanais das lojas de rua e de centros comerciais que indica uma quebra média de vendas na ordem dos 40% face ao mesmo período do ano passado, na terceira semana de junho, entre os dias 15 a 21, altura em que foi permitido pelo governo a reabertura das lojas com maior área, incluindo os Centros Comerciais, em Lisboa, depois de um longo período de encerramento devido à pandemia causada pelo novo coronavírus.

Para a análise, foram obtidas respostas de mais de duas mil lojas de associados da AMRR, de norte a sul do país, relativamente aos dados da terceira semana de junho.

Na semana de reabertura das lojas em todo o país, à exceção de Lisboa, os lojistas reportam quebras de vendas na ordem dos 39%, sendo que essa descida foi acentuada na segunda semana de operação, para os 40,5% e, terminada a terceira semana e já com os dados recolhidos dos lojistas de Lisboa, as perdas chegaram a 40,6% no total do país.

Neste período em análise, a AMRR indica que a região de Lisboa reporta assim uma queda de vendas de 40,1%, sendo que os lojistas do resto do país reportaram perdas de 42,5%, demonstrando uma queda global nacional média de 41,3%.

O relatório indica ainda que, olhando para os valor globais, desde a abertura da atividade económica do retalho e restauração, no dia 1 de junho, os lojistas têm vindo a perder, em média, 40% das vendas, havendo uma clara tendência para o aumento de perdas ao longo do tempo. Outro facto de realçar é que as lojas de rua caem ligeiramente menos que as lojas em centros comerciais. Isto apesar das lojas de rua nos centros de Lisboa e Porto, apresentarem quedas superiores devido à falta de turistas

O presidente da Associação de Marcas de Retalho e Restauração, considera que as promoções não estão a ser suficientes pare recuperar os consumidores. “Estes dados reforçam a crise que ainda estamos a viver pelo que é urgente haver legislação que regule as rendas, em particular dos Centros Comerciais, sob pena de virmos a assistir a um desastre económico no retalho, com fechos de lojas e muito desemprego.” explica Miguel Pina Martins.

Ler mais
Relacionadas

“Investimentos significativos”. Centros comerciais registam 99% das lojas a funcionar

Das 8.600 lojas que integram os centros comerciais associados da Associação Portuguesa de Centros Comerciais (APCC), 8.483 estão em funcionamento, o equivalente a 99% do comércio nestes espaços.
Recomendadas

IPO do grupo Ant regista procura histórica de três biliões de dólares por parte de investidores

Apesar dos riscos de escrutínio, os investidores de retalho e institucionais estão a correr para comprar ações do grupo que opera a maior plataforma de pagamentos da China, bem como outros serviços financeiros.

Sindicato dos tripulantes “não quer acreditar” que a TAP vá reduzir salários

Presidente do SNPVAC, Henrique Louro Martins, disse, em entrevista ao “Público”, que os trabalhadores que representa já perderam grande parte da remuneração e lamenta que a administração ainda não tenha comunicado o plano de reestrutração da transportadora aérea.

PremiumRoger Tamraz: Dos milionários ‘pipelines’ no Médio Oriente ao interesse pelo banco de Isabel dos Santos

Gravitou em negócios da mais alta geopolítica, rodeado por chefes de Estado do Médio Oriente e de antigas repúblicas soviéticas, e fez parcerias com Onassis no Panamá. Agora gere investimentos a partir do Dubai, com russos, chineses e africanos. Aos 80 anos pretende comprar o Eurobic.
Comentários