Vendas em lojas de todo o país caem 40% na semana de reabertura

O presidente da Associação de Marcas de Retalho e Restauração, considera que as promoções não estão a ser suficientes para recuperar os consumidores. Na semana de reabertura das lojas em todo o país, já com os dados recolhidos dos lojistas de Lisboa, as perdas chegaram a 40,6% no total do país.

A Associação de Marcas de Retalho e Restauração (AMRR) apresentou, esta segunda-feira, o resultado das vendas semanais das lojas de rua e de centros comerciais que indica uma quebra média de vendas na ordem dos 40% face ao mesmo período do ano passado, na terceira semana de junho, entre os dias 15 a 21, altura em que foi permitido pelo governo a reabertura das lojas com maior área, incluindo os Centros Comerciais, em Lisboa, depois de um longo período de encerramento devido à pandemia causada pelo novo coronavírus.

Para a análise, foram obtidas respostas de mais de duas mil lojas de associados da AMRR, de norte a sul do país, relativamente aos dados da terceira semana de junho.

Na semana de reabertura das lojas em todo o país, à exceção de Lisboa, os lojistas reportam quebras de vendas na ordem dos 39%, sendo que essa descida foi acentuada na segunda semana de operação, para os 40,5% e, terminada a terceira semana e já com os dados recolhidos dos lojistas de Lisboa, as perdas chegaram a 40,6% no total do país.

Neste período em análise, a AMRR indica que a região de Lisboa reporta assim uma queda de vendas de 40,1%, sendo que os lojistas do resto do país reportaram perdas de 42,5%, demonstrando uma queda global nacional média de 41,3%.

O relatório indica ainda que, olhando para os valor globais, desde a abertura da atividade económica do retalho e restauração, no dia 1 de junho, os lojistas têm vindo a perder, em média, 40% das vendas, havendo uma clara tendência para o aumento de perdas ao longo do tempo. Outro facto de realçar é que as lojas de rua caem ligeiramente menos que as lojas em centros comerciais. Isto apesar das lojas de rua nos centros de Lisboa e Porto, apresentarem quedas superiores devido à falta de turistas

O presidente da Associação de Marcas de Retalho e Restauração, considera que as promoções não estão a ser suficientes pare recuperar os consumidores. “Estes dados reforçam a crise que ainda estamos a viver pelo que é urgente haver legislação que regule as rendas, em particular dos Centros Comerciais, sob pena de virmos a assistir a um desastre económico no retalho, com fechos de lojas e muito desemprego.” explica Miguel Pina Martins.

Ler mais
Relacionadas

“Investimentos significativos”. Centros comerciais registam 99% das lojas a funcionar

Das 8.600 lojas que integram os centros comerciais associados da Associação Portuguesa de Centros Comerciais (APCC), 8.483 estão em funcionamento, o equivalente a 99% do comércio nestes espaços.
Recomendadas

Marques Mendes diz que CGD liderará sindicato bancário para financiar o Novo Banco

Luís Marques Mendes, revelou este domingo que a injeção do Fundo de Resolução no Novo Banco vai ser possível através do empréstimo de um sindicato bancário, que será liderado pela CGD. O comentador revelou que não houve qualquer conversa entre o BCP e o Governo para uma fusão com o Montepio. O JE confirmou que Miguel Maya não falou com João Leão sobre uma integração do Banco Montepio.

Premium“Construtoras nacionais apenas ficam com 20% das obras públicas”, diz bastonário da Ordem dos Engenheiros

O desinvestimento em pessoas e equipamentos ao longo dos últimos anos foi tão grande que apenas 20% das obras públicas lançadas ficam em empresas portuguesas, afirma Carlos Mineiro Aires.

Miguel Albuquerque diz que “a Madeira vai ultrapassar efeitos devastadores no turismo”

O presidente do Governo da Madeira mostrou-se este domingo convicto de que a região vai conseguir superar “mais este grande desafio” dos “efeitos devastadores” no setor do turismo provocado pela pandemia da covid-19.
Comentários