Vendas no comércio a retalho aumentam 3,7% em novembro

Já os índices de emprego, de remunerações e de horas trabalhadas cresceram, comparativamente ao mesmo mês do ano passado, 2,2%, 4% e 1,3%, respetivamente.

O índice de volume de negócios no comércio a retalho aumentou, em termos homólogos, 3,7% em novembro, segundo os dados divulgados esta segunda-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

“O agrupamento produtos não alimentares teve um aumento de 4,3% em novembro, mais 1,1 pontos percentuais [p.p.] que o registado em outubro, enquanto o de produtos alimentares desacelerou 1,2 p.p., para 3%”, refere o relatório publicado esta manhã.

Em outubro, a taxa de variação deste índice – que tem como objetivo mostrar a evolução do mercado de bens e serviços neste setor – havia sido um ponto percentual inferior (3,6%).

Segundo o organismo de estatística nacional, a variação em cadeia do índice agregado foi de 0,8% em novembro, quando tinha sido de 2,5% no mês anterior. “O índice do agrupamento produtos Alimentares passou de uma variação mensal de 1,5% em outubro para -1,0% em novembro, enquanto o de produtos não alimentares abrandou, de 3,3% para 2,3%”, explicam também os técnicos do INE.

Já os índices de emprego, de remunerações e de horas trabalhadas cresceram, comparativamente ao mesmo mês do ano passado, 2,2%, 4% e 1,3%, respetivamente. No mês anterior, as percentagens foram de 2,4%, 5% e 1,6%, pela mesma ordem.

Recomendadas

Rádio Popular investe um milhão para abrir 50ª loja em Portugal

Esta nova unidade da Rádio Popular em Leiria tem uma área total de mil metros quadrados e permitiu a criação de 30 novos postos de trabalho diretos e indiretos.

Mercadona entra nas 500 marcas globais mais valiosas

Além da Mercadona, existem mais seis marcas/empresas espanholas presentes neste ‘ranking’ da Brand Finance.

Caixa BI escolhe Mota, REN, Sonae e Sonae Capital como ‘top picks’ para 2020

O banco de investimento da CGD antevê um 2020 positivo para o PSI 20, com uma subida potencial de 13% alimentada pelas pares na Europa e nos EUA e o menor risco-país de Portugal. Sobre as favoritas: a Mota-Engil vai ganhar com expansão internacional, a REN é um porto seguro, a Sonae tem vários pontos de ganhos e a Sonae Capital está exposta a muitas oportunidades.
Comentários