Venezuela: “aprendemos as lições sobre os riscos associados ao uso da força militar”, diz Mike Pompeo

O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, defendeu hoje a “retenção” militar dos Estados Unidos na Venezuela, excluindo uma eventual intervenção armada para expulsar o Presidente venezuelano, Nicolás Maduro, mas cuja saída do poder prevê estar próxima.

Num discurso sobre a política externa do Presidente Donald Trump na América Latina, Pompeo indicou que a prioridade era combater o “socialismo”, mas teorizou uma diplomacia feita de “realismo, retenção e respeito”.

“Nós dissemos que todas as opções estavam em cima da mesa para ajudar os venezuelanos a recuperar a sua democracia e a sua prosperidade”, salientou o chefe da diplomacia dos EUA em Louisville, cidade do Estado norte-americano de Kentucky.

No entanto, Mike Pompeo sublinhou que a estratégia “realista” do Presidente dos EUA em relação à Venezuela causava pressões económicas e diplomáticas, mas também “retenção”.

“Aprendemos as lições históricas sobre os riscos significativos associados ao uso da força militar”, advertiu Pompeo.

Washington reconheceu, em janeiro, o líder da oposição venezuelana Juan Guaidó como Presidente interino da Venezuela e impôs sanções económicas para pressionar Nicolás Maduro a deixar o poder.

Mike Pompeo pediu, no entanto, paciência, invocando o exemplo da queda do regime de Nicolae Ceausescu na Roménia, para assegurar que o Presidente venezuelano, Nicolás Maduro, acabaria por ser forçado a sair.

“Em julho de 1989, Nicolas Ceausescu afirmou que o capitalismo chegaria à Roménia no dia em que as maçãs crescessem em choupos – e em dezembro do mesmo ano, foi executado”, sublinhou Pompeo.

“O fim está próximo também para Maduro. Simplesmente não sabemos a data”, acrescentou o secretário de Estado norte-americano.

A Venezuela vive uma crise social e política, com reflexos humanitários.

Em janeiro, Juan Guaidó, presidente da Assembleia Nacional – onde a oposição é maioritária -, autoproclamou-se Presidente interino, questionando e desafiando a legitimidade de Nicolás Maduro.

Ler mais
Recomendadas

Presidente chinês presente no 20.º aniversário da transferência da administração de Macau

Xi Jinping “inspecionará” também o território outrora administrado por Portugal, hoje uma região semiautónoma chinesa e capital mundial do jogo, escreveu a Xinhua, sem avançar com mais detalhes.

“É uma farsa, uma fraude”. Trump disponível para se defender de ‘impeachment’

“Farei o que quero. Reparem, não fiz nada de errado, então farei isso, demore muito ou pouco”, disse Trump, numa conferência de imprensa, respondendo sobre se preferia um julgamento político de curta duração ou de longa duração.

O que marcou 2019? Vote nas personalidades e acontecimentos do ano

A redação do Jornal Económico analisou e destacou em cinco categorias diferentes, os acontecimentos e os protagonistas mais relevantes do ano 2019. Até ao próximo dia 22 de dezembro, é a sua vez de dar voz à notícia do ano.
Comentários